O lado cômico da maternidade

Si e Lu, Lu e Si

12 Comentários

Quem me dera ter talento pra escrever sobre a Simone, e conseguir descrever toda sua ternura e meiguice, toda a sua garra e fortaleza, toda sua simplicidade e inteligência e tanto mais. E como minhas palavras nunca alcançarão tamanha expressão, me limito a contar um pouquinho da gente, daquela forma meio tosca que você conhece bem como é.

* * *

A Simone é minha amiga desde que a gente tinha 10 anos. Nossa amizade começou com ela arrancando meus cabelos – fio por fio – na sala de aula, evoluiu pra intercâmbios semanais de desenhos e cartinhas, depois pra idas freqüentes ao cinema  (com direito à concorrida sessão de Uma Linda Mulher, da qual saímos as duas suspirando e pensando quando viriam nossos príncipes no cavalo branco)  e culminou em uma amizade profunda, cheia de conversas inspiradoras, sonhos compartilhados e milhões de planos pra vida.

A nossa sintonia sempre foi tão grande, que de repente uma passou a assimilar as características da outra. Fomos amalgamando,  misturando, metamorfoseando, até que um dia… *puft*! – nos tornamos idênticas.

Não tinha um que não perguntasse:

- Vocês duas são irmãs gêmeas?

Bastante curioso notar, que não havia sequer um pingo de dúvida quanto a sermos irmãs. Isso era fato consumado. A questão era se éramos gêmeas ou não, pra qual a resposta “não, nem gêmeas, nem irmãs, somos amigas” nunca era realmente aceita como verdade verdadeira.

- Como assim? Nem são irmãs? Ah, vai… corta essa! Claro que vocês são irmãs sim! Aqui Fulano, elas estão falando que não são irmãs não!

- Essas duas aí? Claro que são! Era só o que me faltava…

Pois depois de tanto ver nossa palavra sendo constantemente duvidada, cansamos e passamos a confirmar “Sim, irmãs E gêmeas”. E foi assim que nossas duas turmas do Cefet passaram três anos achando que éramos irmãs univitelinas, além de mais uma teia de mentiradas que tivemos que inventar pra suportar toda nosso histórico co-sanguíneo.

* * *

(Nic querido, mamãe não pode deixar de dizer nesse ponto que não se deve mentir nunca, viu? Muito, muito feio o que a mamãe e a tia Si fizeram. Mereciam ir pro cantinho do pensamento – as duas!).

* * *

E como a gente morava no mesmo bairro e estudava na mesma escola, também pegávamos o mesmo ônibus, mas nem sempre juntas. E tinha um trocador num desses ônibus, muito gente boa, e que adorava puxar papo com os estudantes. Num dia, eu troquei meia dúzia de palavras com ele, no outro eu peguei um outro ônibus e no terceiro dia ele chega e me fala:

- Puxa, porque você não conversou comigo ontem? Você estava tão séria… Eu falei alguma coisa que não deveria?

- (…)

No que eu atinei que ele tinha tentado conversar com a Simone (que nunca tinha visto ele na vida) achando que fosse comigo. Em outras palavras, pra ele, eu e ela éramos indubitavelmente a mesma pessoa.

* * *

“Mas um estranho confundir duas pessoas ainda vai” – você me diz.

É verdade. Mas agora escuta essa. Imagina que num belo dia, eu passeava feliz, contente e saltitante lá no bairro onde morávamos, quando encontro com a mãe da Simone. Ela pára olhando bem nos meus olhos e me pergunta:

- O que você está fazendo aqui a essa hora, Simone? Você não tinha saído pra estudar?

Reparou? A mãe dela me confundiu com a própria filha.

* * *

Daí, que outro dia eu e a Simone finalmente conseguimos nos encontrar no Skype. O Nicolas estava no meu colo.

As duas, com mil coisas pra contar, duas mil pra perguntar, rindo de qualquer coisa e morrendo de vontade de se abraçarem. Eu, emocionada de vê-la com aquele barriga enorme e linda e observá-la naquela impassível serenidade de sempre – que inclusive faz qualquer um duvidar que aquele anjo de candura teria sido, um dia, responsável pela pequena clareira no alto da minha cabeça aos plenos 11 anos de idade –  quando de repente, a conexão cai.

O Nicolas, com toda sua simplicidade de criança, se vira pra mim e me pergunta:

- Cadê mami?

- (…)

Só pra esclarecer o que já deve estar mais que claro, ele se referia à Simone.

* * *

Si querida, essa palhaçada toda foi só pra dizer que não tem honra maior pra uma mãe que ter seu próprio filho a confundido com você. Obrigada por fazer parte das histórias da minha vida até hoje. Te amo, minha irmãzinha do coração.

O  Yann terá sorte de ter uma mãe como você.

Que ele venha com muita saúde!

LIIIIIIIINDA!!!!!

About these ads

12 thoughts on “Si e Lu, Lu e Si

  1. AMEI o post! Muito bem escrito e bem humorado como sempre… E vocês têm mesmo uma similaridade, sabia? Talvez pela sintonia de vocês, tão bonita… E ela grávida, realmente está lindíssima! Boa hora pra sua amiga-irmã!

    Beijos, Lu!

  2. Aiiiii que lindo!!! adorei ´..engraçado,sincero,profundo e emocinante..exatamente como as amizades de verdade tem que ser! Linda homenagem..mas e não dizem que quando gostamos mt de uma pessoa nos tornamos um pouco dela??então…rsrs..achei um barato a propria mae e depois o teu filho confundir vcs duas!!! hahahaha!!!
    Amizade assim, a gente leva para sempre,isso é lindo ,parabens!!!!!!
    De que cidade vc era,Lu??
    Bjaaao,otima quinta!! ;-)

  3. Lindo, lindo!!!!!
    essas amizades são verdadeiros milagres!
    bjocas

  4. Que liiiiiindo!!! Amei demais o texto! Como vc escreve bem, Lu! E que historia de amizade linda!!! Mas é isso mesmo que acontece quando duas pessoas se identificam tanto. Sabe que comigo e meu namorido eh a mesma coisa? Tem gente que ja perguntou se eramos irmaos, porque um vai absorvendo o jeito do outro falar, as expressoes e dai ate o semblante fica parecido.

    Mas enfim, amizades assim sao raras Lu, pra toda vida… Coisa de alma mesmo ne?

    Forte abraço!

  5. Que homenagem linda! ri e me emocionei! Realmente amizades assim são um milagre! Bjs e ótima sexta!

  6. Ai irmãzinha… fiquei sem palavras… não tenho como descrever como fiquei emocionada, feliz e muito honrada em fazer parte da sua vida, da sua história, bem como você faz parte da minha – nos mínimos detalhes!!! Obrigada pela belíssima declaração de amizade, bem humorada e alto astral – características sempre marcantes suas!!! É um privilégio indescritível a nossa amizade, um dos melhores presentes que a vida me deu até hoje!!! Com muito amor, bjs e abraços bem fortes na família, cheios de saudades!

  7. Lu,

    Que linda mensagem!!!!! A Simone merece!!! Com um detalhe que fisicamente vcs duas se parecem mais do que nós duas que somos irmãs biológicas…. Bizarro!!! rsrsrsr

    P.S.: Adoooooro suas mensagens pro Nic… rsrsrsr Hilárias!!!!

    Beijos.

  8. Pingback: Direto da roça canadense « Nicolando por aí

  9. Pingback: Falando de nomes… e o nome do ganhador? « Nicolando por aí

  10. Pingback: Nosso Halloween « Nicolando por aí

  11. Pingback: Nicolas « Nicolando por aí

  12. Pingback: Relato de parto da Lily (parte 1 de 2) « Nicolando por aí

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 537 outros seguidores