O lado cômico da maternidade

Os alienígenas e os pesticidas

29 Comentários

Quando eu era criança minha cabeça fervilhava, tanto de ideias quanto de piolhos.

Pras ideias, eu tinha um parceiro inseparável, o meu primo Natanael. Uma vez, inventamos a historia de que éramos alienígenas, veja só. Então, durante o crepúsculo de um dia frio, contamos aos sussurros pra uma plateia de crianças ingênuas e de olhos esbugalhados, que tínhamos vindo de Vênus.

- Estão vendo aquela estrela lá no horizonte? Então, é de lá que a gente veio. Lá, eu e o Nael éramos irmãos e tão pequenos quanto o mindinho do pé de vocês!

- Oohhh! – todos exclamavam admirados, cada um olhando pro seu mindinho do pé.

- Sim, e tínhamos pouco mais de 200 anos de idade!

E se entreolhavam embasbacados.

(Claro, vale lembrar que em terreno venusiano, se você tinha 200 anos, ainda era uma graciosa criancinha sapeca.)

Daí contamos que num belo dia, estávamos dando um rolé no foguete dos nossos pais quando o motor fundiu inesperadamente. Pifou de tudo. Caímos os dois no planeta Terra, aterrissando cada um nas xícaras das nossas respectivas mães terráqueas, que por sorte batiam um papinho enquanto sorviam um delicioso café ao ar livre. Elas nos beberam e tcharam! – nascemos de novo, só que aqui na Terra!

Sentiu o nível, né?

Pois você não imagina a cara de espanto, medo e até inveja dos nossos amiguinhos terráqueos.

* * *

E se por dentro minha cabeça fervilhava com historias desse naipe, por fora então, caro leitor, o fervilhamento era mais que incontrolável – era insano. Juro que não sei como eu conseguia a proeza de ter sempre tantos inquilinos parasíticos residindo no meu couro cabeludo. Saía um grupo, entrava outro. O que me faz concluir que se meu sangue era doce como diziam, naquela altura a piolhada já devia ser toda diabética (e eu também, né?).

Assim que eu vivia às voltas com pentes finos e um pesticida qualquer – era Neocid ou Deltacid, também conhecidos como DDT. Passava os finais de semana com a cabeça no colo da minha mãe, que catava, catava, jogava pesticida, catava, catava, mais pesticida. E depois que meu couro cabeludo já estava dolorido de tanto pentear e pinicava horrores com todo aquele veneno, ela vinha com um pano branco, enrolava na minha cabeça e com aquilo eu ficava horas e horas brincando e tentando evitar que o pozinho letal caísse no meu olho.

* * *

Agora vai, me conta se uma pessoa que sobrevive a tanto DDT na cuca só não pode ser mesmo um alienígena. Viu, tava mentindo não.

(ou então a experiência serviu pra comprovar que de peste eu não tinha nada, posto que peste pesticida mata. Né não?) :)

* * *

Então. Pois esta criatura alienígena cresceu, se tornou uma moça terráquea singela, meiga e bonita, foi morar num país rico, industrializado, arborizado e sanitarizado, teve dois filhos fofos e saudáveis e ainda a felicidade de NUNCA mais pegar piolho nessa vida!

Certo?

Errado. Pois acredite ou não, fiel leitor, o inimaginável aconteceu.

Nem te conto que precisamente na terça ou quarta da semana passada, passou por aqui um surto piolhístico. Sim, no Canadá. Mas só passou não – passou e pegou a família toda. Surtamos, né? A única poupada, por pura graça divina, foi a Lily. Justo ela, conhecida internacionalmente por sua vasta cabeleira, passou ilesa. Acreditamos que Nicolas tenha sido o veículo transportador e felizmente pudemos comprovar que agora sim, existem alternativas ao pesticida. Mas saiba que o pente fino ainda reina.

Quanto à vovó, claro que também pegou mas já se livrou dos bichos. Agora imagina se ela, a pouco mais de uma semana pra voltar pro Brasil, sai daqui levando piolho canadense? Oh my God! Só ia dar as piolhas tupiniquins doidinhas pra arrumar maridinho gringo, né?

Bom, pois depois de um post desses, pode aparentar mas ainda não tô completamente doida não. É que o negócio aqui em casa tá feio. Primeiro, o surto piolhístico, agora Nicolas tá com princípio de pneumonia e tosse dia e noite, Rafa se encontra viajando, vovó quase voltando e Lily só mamando. Ah sim, e com muitos gases… Tantos gases que as vezes chego a pensar que ela tá sublimando… que nem naftalina, sabe? Direto do estado sólido pro gasoso.

Enfim, melhor eu parar por aqui mesmo.

About these ads

29 comentários sobre “Os alienígenas e os pesticidas

  1. Não posso escrever muito agora porque minha cabeça não pára de coçaaaaar!
    Hahaha, adorei o post. Melhoras pra todo mundo!

    Beijo

    Pri

  2. Ri litros. Tb peguei muito piolho pior e que eu tinha horror ao bixo, gracas a Deus por aqui ainda nao, mas ja recebi cartas de escola e daycare falando que tava rolando um surto piolhistico kkkkkkk. Qdo vc contou a historia do E.T. lembrei de uma amiga da Lana da escola que contou pra ela que tem um primo que eh Lobisomen, e a Lana acreditou, queria orar pelo menino kkkkkkk.

    • Pois é, Simone! Tem criança que é inocente e tem outras que abusam dessa inocência (eu?). Mas acho que paguei meus pecados com essa piolhada, né não? Hahaha beijos!

  3. Hahahaa também comecei a coçar a cabeça. Acho que é solidariedade…

  4. Lu, eu não sei seguir direito sem virar seguidora, sabe? com aquelas fotinhas que ficam amontoadas em algum canto? Então… Mas eu sempre passava por aqui, acontece que perdi tanta coisa que resolvi me cadastrar pra receber por e-mail… Judiação demais eu não ter lido a premiação da Chupeta de Ouro… Melhoras por aí… Beijos e coceirinhas…

    • Oi querida, pois é, pena que o wordpress não da opção de colocar as carinhas seguidoras… O jeito é seguir mesmo por email ou rss. Obrigada por seguir! Beijos!

  5. Ai Lu, que post tragicômico… Ri muito, cocei a cabeça só de ler e me lembrei que eu também sempre fui a preferida dos piolhos. Éramos 4 irmãos, os outros 3 não pegavam e eu sempre premiada… Pelo menos a Lily se safou :D Bjos e boa sorte ;)

  6. Nossa, Lu, que post é esse! Muuuuito bom, fechou bem o meu dia. Adorei a história dos alienígenas, fico imaginando as crianças mineirinhas embasbacadas com os amigos de Venus. hahahaha
    E essa do piolho? Eu tb peguei algumas vezes e minha mãe passava neocid, a gente dormia com aquilo na cabeça, pode? Depois peguei uma vez na adolescencia e nunca mais, ainda bem!!! Mas piolho canadense deve ser mais civilizado, né não?
    Beijos

    • Kelly, vc me fez lembrar que uma vez dormi com neocid na cabeça tb, menina! Que horror, hein? Agora, não se deixe enganar. Pode ser que os piolhos canadenses até digam sorry e thank you com mais freqüência, mas coçam e se alastram da mesma forma! Hahaha! Beijos!

  7. Ahhh, esqueci de dizer, melhoras pro Nicolas e que as coisas se acalmem por aí.
    Beijos

  8. Ai Lú, você é muito engracada! Melhoras para todos aí! Beijo

  9. Lu temos mais uma coisa em comum (alem do filho com o mesmo nome, sermos expatriadas, adorarmos um cafe de padaria, uma boa prosa, o signo) e ter o sangue doce.
    Eu sempre tive piolho quando pequena. A inspetora de classe/ servente (que palavra horrivel)/ ajudante do patio, ja’ sabia o caminho da minha casa. E como a minha avo que cuidava dos 4 netos, as vezes, acho eu que ela ficava com do e sentava na ponta da escada e ficava tirando as lendias (os filhotes ou seriam as femeas do piolho, num sei mais) da nossa cabeca, para ajudar a minha avo, num ato de solidariedade.
    Depois de usar muito deltacid e nada ressolver, minha avo apelou para o vinagre quente e passavamos linha no pente fino, para facilitar a saida dos bichinhos. Confesso que adorava mata-los (eca, eca, eca). A familia por aqui e’ sortuda, porque meu marido conta, que o pai dele, colocava uma fralda branca, passava o pente fino e quando os bichinhos caiam eles ficavam brincando de corrida. Corrida de piolhos amiga, ve se eu posso com um troco desse.. coisa de meninos, de uma casa com 6 meninos, so’ pode.
    Mas, que bom que a onda ja’ passou, os amigos hospedeiros ja’ foram embora, e a pequerucha nao foi contemplada, porque ninguem merece (e claro que eu cocei a cabeca tambem aqui!).
    Lu melhoras para o Ni, comeco de pneumonia assusta um pouquinho e forca para voce, que tudo se ajeita logo, logo.
    Abracos
    Gra
    (imagina quanto buli a gente nao sofria, por ter piolhos… num gosto nem de lembrar, pq eu nao lembro mesmo!)

  10. tb tenho uma longa história com piolhos e, só de ler o post, minha cabeca já tá cocando. Zezuis! E eu achava que tinha pagado mico de ter tido piolho aos 20 anos, magina a família toda empiolhada, gentes?!

    mas melhoras aí, viu?

    beju beju

  11. hahahuahuahuhauhauhahauhahahauhaha

    MORRI de rir, Lu!! MOrri!!

    Amiga, se vale dizer, eu fui a campeã de piolhos de Brasília, de 1984 a 1994. Eu tive piolhos em toda a minha infância e NEOCID era o meu melhor amigo. Aquele pozinho do cão, que matava até cavalo e a gente com isso na cabeça. POis é…

    Melhoras pros alienígenas nas suas cabeças, uma hora passa!!! hahahahahah

    tadinhos… boa sorte!!!

    Beijos!

  12. ai que loucura!, como diria uma doida daqui.

    tomara que sumam logo os piolhos. Sabe que morro de medo deles. Na verdade tenho um nojinho…

    mas cedo ou tarde vou ter que enfrentar.

    beijos e melhoras pra todos aí!

  13. Lu, agora sei porque você é tão solícita e oferece o sofá para os hóspedes… Lá fica o ninho dos piolhos né? hahahahahahahhahaha….

    Guria, melhoras prá vocês. Com aquela cabeleira foi muita sorte a Lilly se safar.

    Bj, saudades.

  14. Oi, hoje há um post sobre seu blog na página do Facebook do Mundo Pequeno (índice de blogs de brasileiros que moram no exterior):
    https://www.facebook.com/#!/mundopequeno
    Também postei um link no Twitter: @mundo_pequeno
    http://twitter.com/#!/mundo_pequeno
    Um abraço!

  15. minha cabeça tá coçando [34786]
    ri litros – adorei a história – me identifiquei demais!
    manda sua mãe trazer os gringos que as piriguetes daqui vão amar – as mina pira!
    beijoca

    • me identifiquei com os pesticidas da infância mesmo… e com a infestação de alice no ano passado… e com o medo de arthur pegar… <– sobre sua pergunta lá no blog.

  16. Ai que dó!!!!!!!!!!!
    Piolho coça a beça……
    Que todos fiquem bem logo, principalmente o Nic, tadinho princípio de pneumonia..
    Melhora logo Nic.
    Bjos

  17. Ai Lu, só vc pra fazer graça com piolho e alienígena (que não gosto, tenho medo-pavor-aversão desde sempre, até do ET!)…
    No mais, ju-ro que nunca tinha ouvido falar em piolho em terras tão evoluídas!! Vai ver que é por isso que todo mundo pegou, é piolho de primeiro mundo né, não se restringe a criancinhas!!
    Melhoras pra todos aí!
    bjos!

    • Pois é sarah! Quando eu iria imaginar piolho aqui??? E nunca tinha visto tamanho alastramento! E rapidíssimo! Ainda bem que a escolinha do Nic nos comunicou sobre o surto e pudemos descobri rápido. No mesmo dia compramos shampoo e lavamos todas as roupas de cama, toalhas e roupas recém usadas. Foi uma verdadeira operação! :)

  18. Olá,
    Passei para convidar você para participar de mais um sorteio do Blog Sublime!
    Um livro bacana!
    http://www.sublimeamordemae.blogspot.com
    beijos

  19. Pingback: Teste da Violência Obstétrica – Dia Internacional da Mulher – Blogagem Coletiva « Nicolando por aí

  20. Queridas pessoas, obrigada pelos comentários! E foi mal aê ter provocado a coceira geral, viu? :D

  21. Pingback: O orvil átse erbos a asem « Nicolando por aí

  22. Pingback: a vida, o hacker e o gabarito «

  23. Pingback: Vi monstro, escrevi livro, virei travesseiro, mas queria mesmo era ser o Mussum |

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 515 outros seguidores