O lado cômico da maternidade

a vuvuzela, o marsupial e o provável tsé-tsé

27 Comentários

A sala de espera do consultório encontrava-se lotada. Entremeio ao som abafado de folhas de revistas sendo passadas e uma ou outra tosse seca, de repente, irrompe-se no ar um barulho flatulêntico. Era quase uma vuvuzela em dia de jogo da copa. Alto, rasgante, estridente. Nítido. A mãe, desconsertada, aponta pra filha de 4 meses.

- Foi ela – e dá um sorrisinho amarelo enxofre.

Assim é a mãe. Faz de tudo pelos filhos, menos assumir um pum que nao lhe pertence.

E assim é a Lily. Uma bebê à frente do seu tempo. Chora com o nível decibélico de uma criança birrenta de 3 anos, tem a vastidão capilar de uma de 10 e solta puns homéricos e constrangedores como uma adolescente rebelde. Quem vê não pensa.


O cabelo é tanto que já passou da base da orelha e hoje ensaia cachinhos. A franja, essa foi cortada 2 vezes. Isso mesmo, primeiro uma, depois duas, como diria o Nic. Porque com bracinhos agitados como os dela (que com muito custo ela consegue controlar pra alcançar um reles brinquedinho pendurado à sua frente) nao daria conta de afastar as madeixas que teimam insistentemente em cair sobre suas pálpebras piscantes. Fato. Então cortei-as.

Mas fofo mesmo é vê-la descobrindo e curtindo seus próprios cabelos, já que Liloca é bebê adepta do auto-cafuné. Ela, nela mesma. Vai fazendo cafuné, fazendo, fazendo e quando menos se espera, tá lá ela dormindo.

Rá! Quem me dera.

A verdade é que após demorar mais de 2 anos pra eu voltar a saber o que é uma noite inteira de sono, tive a sorte de ter um segundo filho com a disposição de um urso hibernante pra dormir. Aposto concê que nunca dantes na história do homo sapiens sapiens se conheceu uma bebê de 4 meses com tamanha necessidade de dormir. Mais fácil seria somar o tempo que ela fica acordada: 3-4 horas por dia? Máximo? TEJURO. Acontece, caro leitor, que o que seria minha grande sorte grande, virou meu maior pesadelo, uma vez que a extensa carga sonífera de Liloca é na realidade inversamente proporcional à facilidade com que ela pega no sono e continua dormindo.

Acompanhe.

Suponhamos que Lily durma por duas horas seguidas (não se empolgue, já já eu conto como isso é possível). Daí ela acorda, mama, ri, conversa, faz cusparada, brinca um pouquinho na cadeirinha e pronto, vinte minutos depois lá estará ela, que nem um bagacinho humano, chorando desconsoladamente em completa exaustão. A pegamos pra dormir (eu ou minha irmã) e por uns 5 minutos o pequeno ser encalacrado ainda se debaterá e gritará, até que por fim começa seu auto-cafuné e adormece. Se o contato humano cessar, ela acordará após zero a dez minutos. Se a superfície na qual ela for deitada vibrar, seu sono se estenderá um pouco mais, mas nunca além de 28 minutos cronometrados. No entanto, se a pessoa carregadora da pequena marsupial estiver disposta a passar as próximas horas com ela no sling e ainda por cima sentada encima de uma bola de pilates ou mesmo caminhando, chances são de que ela durma mais. Ah! E mesmo caminhando pode ser que ela acorde logo, viu? Mas tudo bem, já que isso poderá ser facilmente evitado se a pessoa carregadora passar a dar passos galopantes ao invés de andar normalmente. Uma beleza.

Bom, mas daí ela acorda, fica mais 20-30 minutos acordada e outra vez abre a boca a chorar completamente exaurida.

Só tenho uma palavra pra Lily: tsé-tsé. Só pode.

Agora, adicione a toda essa dificuldade de dormir, barulhos bruscos de alto impacto e gritos frenéticos promovidos pelo irmão mais velho. Pronto, clap, clap, clap, você acaba de ganhar uma bebê com uma necessidade ainda maior de dormir e uma mãe realmente frustrada. Congratulations.

(Alô, assistência técnica, segundo filho não deveria vir obrigatoriamente configurado pra dormir com barulho, em qualquer lugar e por muito tempo? Não tem algo errado aí não?)

Tá, mas quando ela acorda (e não tá chorando de sono), Liloca é o bebê mais feliz que já vi. Mais feliz ainda se Nic está por perto. Enquanto eu, papi e a tia nos desdobramos em palhaçadas pra fazer ela gargalhar, Nic consegue isso com ZERO esforço. Sabe o que é simplesmente parar na frente dela, sem qualquer expressão, pra ela quase perder o fôlego de gargalhar? Impressionante.

Já Nic, apesar do visível amor pela irmã, anda passando por uma fase mesmo complicada. Além do desfralde que ficou pra história, Nic nunca chorou tanto na vida. Chora POR TUDO e mais alguma coisa, especialmente quando o papai NÃO está viajando. E tem MUITO ciúme dele com a Lily. Também ficou teimoso, exigente e manhoso ao extremo. Tem horas que deita no chão e imita igualzinho o choro de um bebê, dizendo que é um. Daí a gente diz que tudo bem ele FINGIR que é bebê de vez em quando, mas que gostamos dele mais ainda quando ele volta a ser menininho. Então tem dia que ele vem, pede pra ajudar a dar banho na Lily, pega a fralda dela e aceita sua condição de irmão mais velho cheio de habilidades. Nos dias mais surpreendentes, ele até nos pede pra fazer um sling pra ele poder carregar sua companheira de aventuras por aí.

Bonitinho.

Mas então é isso. Hoje concluo que ter dois filhos é muito, muito bacana, mas não é fácil não, viu? E apesar de eu achar graça dos barulhos de vuvuzela, de fazer piada com o tsé-tsé ou o pequeno ser marsupial, só desejo no meu íntimo que eu esteja mesmo é sendo a melhor mãe que eu posso pra esses dois. E que no final das contas eles se sintam amados e sejam pessoas seguras, de bem e muito, mas muito felizes. E claro, sem traumas psicológicos da infância. :)

About these ads

27 thoughts on “a vuvuzela, o marsupial e o provável tsé-tsé

  1. Ai Lu, me matei de rir, li pro marido alguns trechos, super-mega-engraçados!
    Mas a realidade é que vc deve estar cansada horrores, arrasada, sofrendo, sem dormir direito, sem descansar, sem fazer nada por vc, hora alguma. De qlq forma, deve ser fantástico ter dois filhos e se eu puder apostar, apostaria que vc adora tudo isso!

    Beijos!!

    • Pode apostar que adoro mesmo! Ainda mais com toda essa ajuda que tenho recebido das visitas (mãe e irmã). Qdo tive o Nic nao tive isso nao. Mesmo sendo um só passei muito mais aperto! Bom, agora é esperar e confiar que toda essa dificuldade de dormir da Lily vai melhorar com o tempo.

      Obrigada, ta amiga?

      Beijos!

  2. ain Lu tu é uma ótimo ótima ótima mãe (mãezona) olhando desse lado hehe
    que linda a lily é/ta. Que amor saber dessas coisas… ela é um anjinho… amo esse cabelão dela.
    queria taaanto conhece los pessoalmente, quem sabe um dia.

    beijão

  3. Oi Lu, não tenha medo nenhum quanto a ser uma boa mãe! É visível sua disponibilidade, paciência e carinho nessa árdua tarefa de educar esses pequeninos. Que continue animada! Bjinhos brasileiros

  4. Oi Lu, apesar de ter vontade de ter um segundinho, não estamos animados e acho que não vai rolar, mas eu penso muito sobre isso de ser mãe de 2. Acho que aqui seria extremamente complicado pq pense numa criaturinha ciumenta e possessiva é a que temos. E isso tb me faz ter medo de, por ser filha única, nós não consigamos melhorar essa característica dela… Enfim, vários dilemas né.
    Eu imagino que deve ser bem cansativo, ainda mais morando longe da família, mas que bom que sua irmã vai passar um tempo por aí, é uma ajuda e tanto!
    Não posso deixar de comentar a lindeza dos seus filhotes, estão maravilhosos!
    Beijos

    • Muito obrigada, Kelly querida,

      Aqui, por muito tempo tínhamos a certeza que teríamos somente um. Até que um dia acordei pensando “quero ter outro!”. Levei um tempo pra convencer o marido e quando ele disse sim e virei e disse “mesmo? Certeza? Pensa bem, hein!” hahaha!. Mas fomos em frente e nao me arrependo, claro. Sei que todo inicio é complicado mesmo, mas sem duvida dois filhos (ou mais) nao é pra qualquer um, nem precisa ser, né?

      Beijos!

  5. Lu, é fase, você bem sabe. Legal você vir aqui e compartilhar essas situaçÕes, até porque um dia você vai rir delas assim como rimos agora. O tempo voa e loga a Lilly vai estar preferindo as amigas à você (não que isso esteja acontecendo aqui em casa e eu esteja sofrendo… hihihihihi). Então amiga, respira fundo com a certeza da mãe dedicada que você é. A propósito, eu acho que você merece um diploma de instrutora de pilates sem mesmo fazer o curso. Não conheço uma instrutora que tenha tanto tempo de contato com uma bola suíça como você! hahahahahahahahah….. Beijão

    • Ei amigaaaaa! Sei que vou rir mesmo pois mesmo agora, direto do olho do furacão, eu já consigo fazer isso! Hahaha! Mas obrigada pelas palavras, pela força e pelo reconhecimento no Pilates. Qdo vc me manda o diploma! Hahaha!

      Beijos!

  6. ai Lú!!! sei exatamente o que vc esta passando….com algumas diferenças aqui e ali, mas basicamente a mesma estória!! rsrsrs! será que iremos sobreviver?? rsrsrs! ainda bem que sua irmã esta aí com vc pra dar uma força né? beijão em vcs e força pra gente!! :-)

  7. Oi, Lu! To meio sumida, ando bem atarefada…
    Voce contou da vuvuzela, lembrei do que me ocorreu nesse fim de semana. Estava num retiro, e coincidentemente, tinha 4 bebes de 2 e 3 meses. Daí, lá pelas tantas, estamos no maior silêncio na missa, silêncio sepulcral, quando ouvimos em alto e bom som um cocô muito barulhento, vindo de alguma fraldinha pitica. Cocô mesmo, de recem-nascido, não era mero pum não! Bom, pelo menos as 4 mamaes estavam muito proximas, nao deu pra saber exatamente qual bebe produziu aquilo… Mas foi engracado (se nao fosse no meio da missa…)
    Mas, voltando a Lily, é curioso que ela durma tanto. Sei que tem criancas que dormem muito, e outras que dormem menos. A elena era uma que dormia das 8 as 6 da manha, e dormia around 6 horas durante o dia ainda. Para minha sorte, ela dormia na cadeirinha. Mas, olha, pensa positivo: imagina se ela chorasse ao invés de dormir? Nada pior que bebê chorando, você dá colo, e não resolve. Aproveita que a sua irmã ta aí por tempo quase infinito e bota a menina amarrada nela. Há que se aproveitar gente disposta a dar colo, não?
    E a sua Lily comprova que quanto mais cabelo, mais velha a crianca parece. os meus também eram cabeludos, e todo mundo achava que eles já tnham cara de menininho/a, e nao de bebê. será que benicio bem cabeludinho tambem? Duvido que não venha!
    E Nic tem todo direito de ter ciúme. Provavelmente, nao vai durar pra sempre (se bem que meu pai tem ci;ume do irmao ate hoje…). Ciúmes agora, mas no futuro, serão companheiros, amigos, porto seguro um do outro.
    beijocas

    • O pior é que ela chora MUITO sim, pois luta contra o sono. Antes dela dormir temos que conseguir domá-la primeiro. Tem dia que demora, outros são mais rápidos. Mas pelo menos o lenga-lenga pra dormir de noite já passou. Ou seja, eu sei que de dia as coisa vão melhorar também, com o tempo. E fingers crossed pra que sejam companheiros por toda a vida! :D

      Beijos, amiga!

  8. Ah! aproveita agora, porque depois, piora! Os meus, neste momento, estao em cima do sofa com dois travesseiros e dois edredons, pulando, se batendo, tentando fazer cabana, e caindo do sofá, claro (joaquin ja caiu de cabeca no chao duas vezes só nessa brincadeira). Daí voce vai passar o dia apartando briga, e vai sentir saudades do tempo que era só carregar e amamentar…

  9. Que trauma de infancia o q? Pelo que você contou, vc tem se saído muito bem!!! Acho que não poderia ser diferente. Se não desse trabalho e não fosse meio caótico, aí sim seria estranho. :-)

    Lily tá linda, se parecendo muito com Nicolas! Engraçada que ela é uma brunet, mas suas sobrancelhas são mais clarinhas. Será que essa cabeleira vai clarear???

    bjão

    • Ai Liza, é que na hora que o bicho ta pegando, que eu só posso dar atenção pra um enquanto deixo o outro esgoelando, nao deixo de considerar que essas criancas vão ficar tudo traumatizadas quando crescerem! Hahaha!

      Sobre o cabelo/sobrancelha, como vc é observadora! Pois ela está MESMO com a raiz mais clara, já! Vamos acompanhar! :D

      Beijos!

  10. Oi Lu,

    Adoro o jeito como vc descreve as aventuras de criar os dois filhos (ou um filho – te leio desde muito antes da Lily nascer). A Lily está linda e esses olhos mais lindos ainda… e a cabeleira então! De fazer inveja ao meu Mateus que, no auge dos seus 1 ano e 7 meses nunca cortou um milímetro de cabelo – nada. Tô deixando acumular. Também sou mãe de dois (a Gabi tem 4 anos e 4 meses) e identifico alguns padrões: mais velho mais chorão e criança que dorme sob “determinadas condições”. E aqui em casa ainda temos muuuito problema para eles comerem… (como o Nic, né? Torço para que vc não tenha esse problema com a Lily. Meu mais novo começou a ficar chato pra comer recentemente…)

    Beijos de sua leitora assídua,
    Ana Paula (também mineira, mas moradora de Brasília)

    • Nossa, fiquei lisonjeada com suas palavras, obrigada mesmo, de coração! E que bom saber que os padrões de sono, choro e alimentação são normais! Eu já estou tentando nao criar expectativas de que a Lily coma bem, apesar da esperança. Por que Ni, embora tenha melhorado, continua seletivo e demorando horrores pra comer – qdo come.

      E no mais, boa sorte pra gente, né?

      Beijos com carinho!

      Lu

  11. Ri horrores com o pum da Lily, precisei me recompor pra continuar lendo o restante do texto. Me lembrei da entrevista que Ilan Brenman conta como teve a ideia de escrever ‘Até as princesas soltam pum’. Segundo ele, um dia a filhinha dele soltou um pum tão estrondoso que ele olhou direto pra esposa, acreditando ser ela e a esposa diretamente pra ele. Quando ambos negaram, seus olharem foram para a filha e ele disse “como isso pode ter vindo de uma bundinha tão pequenina?” e começaram a rir, então a filha começou a chorar e sua esposa disse a ela “Não chore, até as princesas soltam pum!”.
    Eu ainda estou aqui sonhando em ser mãe de quatro. Será que desistirei da ideia quando chegar o segundo? Ou o desejo aumentará? A Lily está linda. Eu sei que digo isso em todos os comentários que faço, mas é que não resisto. E o Nic ficou um fofo com o sling.
    Mil beijos pra vocês.

  12. Lilian, falou tudo. NINGUÉM acredita mesmo e ainda olham pra mim com cara de “que mãe é essa que tem coragem de por a culpa num neném”? E sobre ter 4 filhos… bom, cada um tem uma experiência, mas eu DEFINITIVAMENTE não seria maluca pra tanto. hahahaha

    Beijos!

  13. É cansativo. Mas tb deve ser recompensador.
    Ela é linda, parece uma princesa!!!
    Bjs e boa sorte.

  14. Pingback: Relato de parto da Lily (parte 2 de 2) « Nicolando por aí

  15. Pingback: a vida, o hacker e o gabarito «

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 526 outros seguidores