O lado cômico da maternidade

A incrível (e hereditária) sutileza masculina

10 Comentários

Este post é candidato ao concurso “O melhor post do mundo da Limetree

(Dó dôceis que agora eu descobri que posso entrar no concurso com vários posts… :))

_________________

Rafael é conhecido, entre outras coisas, por sua até bem intencionada, porém brutal honestidade ao emitir sua opinião, principalmente no que tange a visuais femininos. Não que ele seja um expert no assunto, não mesmo. Mas sabe como as mulheres podem ser susceptíveis a opiniões alheias sobre a aparência delas, né? Especialmente aquelas que já tiveram seu imóvel uterino ocupado por um inquilino espaçoso.

* * *

Pois bem. Após semanas se preparando pra aquele aguardado evento (primeira festa de gente grande depois do nascimento do filho, ui!), por fim ela decide o vestido. Só ela sabia da dificuldade que foi andar dias com um menino espevitado a tiracolo em busca do modelito perfeito. Mas encontrou. Talvez um pouco ousado se comparado ao seu usual pretinho básico-que-nunca-tem-erro, mas aquele vestido era especial. Sexy sem ser vulgar, exuberante sem ser exagerado, e principalmente, conseguia esconder com elegância aquela pochete anexada à sua barriga.

Dá então o último retoque na maquiagem, calça aquela sandália que só reforça a imagem de “essa-sabe-o-que-está-fazendo”, pega sua bolsa e sai toda confiante e poderosa do quarto, quando dá de cara com o marido.

Esse, dá um pulo pra trás ao vê-la.

- Credo! Tem certeza que você vai com esse vestido? – solta ele.

Conhecendo o marido como conhecia, ela não se deixa abater:

- Claro que vou com esse vestido, ele é lindo!

- Mas e essa cor???

- A cor? O que que tem a cor? – pergunta ela levando a mão à orelha. Era a pulga.

- Essa cor é MUITO feia, arregalada demais! Não ficou bem não!

- Como assim? Essa cor é fashion! É a cor do verão, todo mundo tá usando, tá? Você não sabe de nada! – reage ela rapidamente tentando impedir sua auto-estima de ir pro brejo.

Mas ele não para.

- Fashion… Pois esse negócio de fashion tá é por fora, tem que usar o que combina com você! – insiste ele mesmo com o risco de levar uma sapatada na cabeça – E olha esse babado estranho! Credo! Melhor se você tivesse arrancado ele fora…

Pronto, agora a pulga tinha virado um hipopótamo.

- Mas vamos assim mesmo que a gente já tá atrasado. Olha, pelo menos seu cabelo tá bonito!

Pois nesse ponto, a pobre vítima já não escutava mais nada. Com seu rímel borrado pelas lágrimas que teimavam em cair, com ódio profundo daquela criatura que já tinha conseguido arruinar a sua tão aguardada festa, agora ela tenta, sem a mínima esperança, encontrar um outro vestido de última hora, que lhe faça sentir tão linda e especial como há poucos minutos atrás tinha ousado se sentir.

Cruel, não é? Pois saiba que pode ser pior.

Imagina agora que ao invés de ousar com babados e cores vivas, a mesma mulher resolva seguir a linha tradicional e por aquele vestido classudo maravilhoso pro casamento da melhor amiga.

O marido em questão a olha de cima a baixo, pede pra ela dar uma voltinha e diz:

- Esse sim, é um vestido bem bonito…

Ela sorri com deleite.

- … pena que não fica bem em você – estraçalha ele, ainda que querendo ajudar, acredite.

* * *

Agora, não pense que ele ataca somente as mulheres próximas com suas críticas não. Sobra pra qualquer uma, até mesmo no momento mais desumano de todos: durante o PRÓPRIO evento.

Foi o que aconteceu a uma amiga nossa, na sua festa de formatura da faculdade. Pobre Maria Eduarda… nunca esquecerei uma figura tão radiante e feliz se esmorecendo daquela forma.

Ela estava linda, com sua delicadeza de sempre, em um vestido maravilhoso naquele corpinho de violão. O penteado, irretocável. Mas pecou, não ao carregar sua maquiagem daquela forma, mas ao passar a menos de 5 metros de distância daquela criatura-sem-travas-na-língua: meu prezado marido.

- Que bom que vocês vieram! – nos recebe ela com nítida alegria.

Eu olho pra maquiagem dela e já prendo minha respiração.

- Parabéns pela formatura! – diz ele já dobrando um pouco os joelhos e analisando o rosto dela por um ângulo e luz melhores.

“Não, fala nada, não fala nada” – mentalizo eu.

- Tá bonita, hein Duda? – diz ele.

Eu volto a respirar aliviada

- Só sua cara é que está meio estranha…

Oh boy. Lá vamos nós.

- Tá alaranjada… e seu pescoço, bizarramente, todo branco.

Não preciso dizer que seu sorriso nublou, né? Nos pediu licença e desapareceu.

Saimos em sua busca, mas encontramos uma outra amiga, que após saber do ocorrido, olha nos olhos daquele ser sem coração e dispara:

- Acorda pra vida, Rafael! Você não pode falar assim com uma mulher! Sabe onde ela deve estar agora? Chorando lá atrás sozinha na beira da piscina. E sabe porque? Por insensibilidade sua! Deixa eu te falar uma coisa. Sempre que você ver uma mulher, mesmo que o batom dela esteja todo borrado assim ó (ela faz o movimento) ao redor da boca, e ainda que esteja parecendo o Bozo, sim, o Bozo! põe na sua cabeça que ela está linda, maravilhosa, perfeita! Principalmente se é o dia da formatura dela!!! Entendeu???

- Mas a cara dela estava esquisita demais. Eu falei porque de repente ela podia dar uma lavadinha no rosto…

- Entendeu, Rafael?

- Entendi.

Entendeu nada, porque ele continuou fazendo isso por um bom tempo ainda.

* * *

Mas então, depois de eu te contar tudo isso, você veja bem a minha sorte.

Tava eu ontem, me arrumando pra sair com o Nicolas e visto uma calça jeans com uma bata que eu amo. Nicolas, agora com quase 20 meses, tá com a mania de antes da gente sair fazer um checagem geral. Ele olha pra mim de baixo pra cima e fala apontando: sapato, calça, busa, bolsa, cabeio.

Pois ni que eu visto esta bata, ele vem e me fala:

- Sapato, calça, sacoia, bolsa, cabeio.

Sim, você não se enganou. O Nicolas chamou minha linda e amada bata de SACOLA.

::

Eu tô feita ou não tô?

__________________

Texto editado do original postado em Junho de 2010, concorrendo a uma viagem pra NY. As votações começam a partir desse dia 15 de Junho! O link é esse aqui tá gente? Valeu!

About these ads

10 thoughts on “A incrível (e hereditária) sutileza masculina

  1. Lu, vc é tão legal, que eu acabei de me tornar candidata mas vou votar em vc! hahahaahahah…. “Dó docêis…” Só vc mesmo Fiona! :D bj

  2. Rindo alto!!!

    Concorrente forte voce, hein? heheheheheh Boa sorte pra nos!! Bjs!

    • Eu nem quero pensar que tenho tantas concorrentes boas, incluindo vc, Ana! Mas pela diversão vale participar, né? Beijos e boa sorte também! :D

  3. Nossa, eu ma-ta-va o marido!!!! Rs…
    Que sina, hein? Boa sorte!

  4. Lu, tem outro post concorrendo?? votei por este, mas acho q o da mae natureza tb estava ??? mas nao consigo achar, tem muuuuuitos post !!!! me avisse. Adoro seus post! Beijos.

  5. Morrendo de rir, e desconfiadíssima q esse Rafael andou conversando com meu marido sem noção aqui. Bjossss meu voto é todo seu!!!

  6. Lú q fofo o Nic!!!!!!!!! Agora o Rafael eim? Q sinceridade master rsrs imagino que vc seja um ser evoluído para relevar as consideraçōes sutis né?rsrs o Ri observa tudo também mas acaba comentando no backstage rsrs e o David falou pra mim um dia: mamãe vc é bonita mas sua roupa é feia! E outra: David se ajeitando pra deitar na minha barriga: mamãe sua barriga é mais mole q a do papai… Oi? Morri!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 533 outros seguidores