O lado cômico da maternidade


9 Comentários

Post do Guest – a divertida vovó Stela

O coração desses meninos já deve estar todo desbeiçado de tanto entra e sai de pessoas queridas nos últimos meses. Vem uma, coração expande, vai embora, coração mingua. Não que o fato das pessoas irem embora desocupa o coração, mas é que ele fica apertadinho, né?

E foi assim. Primeiro veio uma vovó, depois a titia e por último a outra vovó. Note que vieram todas sozinhas, hein? Eita mulheres aventureiras!

A vovó Stela fez uma visita mais rápida, de 10 dias, mas não menos marcante. Pra total alegria do Nic, ela é também uma apaixonada por carros. (Sempre soubemos, mas agora confirmamos a origem de tamanha obsessão do menino. Tá mesmo no sangue!). Por isso, não teve um dia que ela tenha deixado de brincar e apostar corridas com ele no chão. Pena que, por causa da robalheira desenfreada incrível habilidade automobilística do Nic, ela não tenha conseguido vencer uma corrida sequer. Quem sabe na próxima visita? Vai treinando em casa, vovó Stela!

Assunto entre eles nunca faltou. Quando não falavam sobre modelos de carro, desempenho do motor ou aerodinâmica avançada, estavam discutindo sobre o caráter do lobo mau. Aliás, nada foi mais surpreendente e fofo que ver ela, uma executiva super ativa e dinâmica, ter tamanha paciência pra contar as mesmas histórias TODAS as vezes que o Nicolas pediu. Umas 78 vezes? Talvez mais. E ela sempre contava com o mesmo entusiasmo. Tenho certeza que Nic jamais vai esquecer esse carinho!

Em Banff (Stela e Nic)

Two Jack Lake, Rocky Mountains (Stela e Lily)

Stela e nóis

*

*

Além disso, a vovó correu muito atrás do Nic (haja fôlego!), carregou Liloca pra cima e pra baixo e nos fez rir demais com suas histórias e mania de limpeza. Enfim, alegrou nossos dias com sua incrível animação! Volte sempre vovó Stela!

Chega de falar, né? Por fim, a palavra é dela: 

Sempre que penso em um colar de pérolas concluo que as pessoas valorizam somente as pérolas. Se esquecem de que o que dá “brilho” às pérolas é o fio, que lhes dá movimento, flexibilidade e o mais importante: sustentabilidade. É essa a leitura que faço de você, Luciana, no contexto da sua família.

Quando pensamos nos nossos filhos não importa o que eles vão ser quando crescer, se tiverem o nosso apoio, poderão ser o que quiserem!! Rafael – saiba que nossa missão sempre foi essa: fazer acontecer para que vocês nos superassem!! E você fez isso com maestria, elegância e eficiência e é um Homem que exerce que mais importante do que Ter é Ser!!

 Lily – menina doce e risonha, que sua vida seja leve, feliz e harmoniosa!!

 Nick – garoto espirituoso, criativo, amoroso, conectado em tudo e em todos, que você cultive a arte de conviver com todos harmoniosamente!!

Conviver com vocês esses dias me deixou uma sensação de felicidade plena e extrema!!

Amo vocês!!

Stela Gradim


27 Comentários

Morador-turista

Estou aprendendo que bom mesmo é morar em lugar turístico, sabe? Olha só:

:: Como MORADOR, temos a oportunidade de acompanhar, apreciar e nos adaptar a cada mudança de estação.

Como TURISTA, podemos escolher a dedo a melhor época pra viajar e explorar.

(as fotos são da mesma árvore)

:: Podemos subir uma montanha super turística…

Ou prestigiar o evento mais barulhento aguardado pelos meninos…

(Nicolas e o amiguinho Davi ao lado do amado Thomas the Train)

Mas também passar um final de semana tranquilo onde só mesmo quem mora conhece…


(“roça canadense” – algum lugar entre Pemberton e Lillooet, British Columbia)

:: Podemos sair pra um passeio e colher muitas framboesas na rua, mas sempre voltar pra casa e fazer um gostoso sorvete com elas…

:: Podemos decidir fazer algo extraordinário como um passeio de avião num final de semana…

Depois algo trivial como animais de massinha…

Ou caretas e beijinhos na frente do espelho…


:: Podemos ter o privilégio de visitar lugares com beleza surpreendente e cheios de pura PAZ…

E ainda voltar e encontrar a mesma paz em casa…

:: Podemos sair e nos inspirar com paisagens maravilhosas…

E ainda voltar pra casa a tempo de usar toda aquela inspiração pro trabalho… (se o filho deixar, claro… :))

:: Podemos estar cientes de todos os perigos que nos cercam na natureza…

Mas mesmo assim deixarmos nosso filho frequentar o mictório natural quando a vontade aperta demais…

- Vai, meu filho, mas cuidado com o urso, viu?

:: E finalmente, morando num lugar turístico, temos a especial oportunidade de acolhermos viajantes de todas as partes do mundo* e com isso, sermos mais uma vez turistas, mas desta vez sem nem mesmo sairmos de casa!

*Nós participamos de uma comunidade onde viajantes de todo o mundo cedem suas casas pra outros viajantes (couchsurfing). É uma troca, nada é cobrado. Recebendo estas pessoas na nossa casa, nos damos conta que o mundo é muito maior e mais bacana que a gente um dia acreditou! Sem falar, que morar num lugar tão bonito e não compartilhá-lo (de coração), não teria tanta graça, não é?


15 Comentários

o desbunde

Nicolas é uma destas raras crianças que sempre odiou praia. Na verdade eu nunca o culpei por isso, pois eu mesma nunca fui muito fã mesmo. Mas bastava eu considerar  a peculiar situação em que vivíamos…

… pra eu achar “praia” uma palavra simplesmente irresistível! Por isso, toda vez que a gente tinha uma oportunidade, juntávamos biquini, sunga e fraldinha do Nemo, e zarpávamos pro litoral na maior felicidade. Mas Nic não queria nem saber. Ele não estava nem aí se morávamos numa cidade sem rios, sem verde e com temperaturas médias de 40 graus. Não gostava de praia e pronto.

Não suportava o contato com a areia preguenta, o sol forte, o vento, a água fria, o chapéu na cabeça, o protetor solar melequento. Quando era bem pequenininho, chorava só de ver o mar.

* * *

Daí uma vez, a gente estava em Sydney e já meio cansados de tanto viajar, decidimos passar uns dias descansando num lugar sossegado. Mas sossegado naquela cidade tão grande e movimentada? Só mesmo se fosse uma praia mais isolada… E pra uma resolvemos ir.

- Coitadinho do Nic, Lu… Três dias direto na praia? – disse o Rafa preocupado

- Ah, meu bem… mas pensa só: não tem uma criança nesse mundo que não goste de praia, tô errada? Até eu quando era criança adorava! Depois que fiquei assim, xexelenta.

- É, mas o Nic raramente se divertiu numa praia até hoje…

- Eu sei, mas agora ele já tem 18 meses… Qual foi a última vez que fomos à uma praia? 4 meses atrás? Então, vai ver que desta vez ele se diverte!

* * *

E assim fomos. Três dias numa pousadinha bem de frente pro mar. Pouquíssimos turistas, nada mais pra fazer a não ser ficar de bobeira na praia. No primeiro dia, só fomos eu e Nic – o Rafa tinha que cortar o cabelo. Fui devagar, comecei mostrando o mar de longe: nenhuma reação. Cruzamos a areia: zero reação. Chegamos perto da água: reação nula.

Pensei, “menos mal, daqui a pouco ele se solta”.

Tratei então de estender a toalha, juntar o balde, as pás, a bola e “Nic! Vem cá retocar esse protetor solar que aqui na Australia não se brinc…”.

- Nic? Nic?

Acreditem ou não, mas Nic tinha simplesmente ido embora. Foi sem olhar pra trás. Quando eu olhei, ele já tinha cruzado toda a areia e corria feliz pra umas escadinhas cimentadas bem longe da praia.

* * *

Agora, não me perguntem como passamos o resto dos dias lá… porque praia? Só de longe mesmo…

* * *

Daí, que desde que nos mudamos pro Canadá, há 1 ano atrás, que esquecemos desse negócio de água, já que o forte aqui são as montanhas e montanhas o Nic adora. Mas então chegaram nossas férias e o destino escolhido foi a Ilha de Vancouver, de onde sempre ouvimos falar super bem. E falou ilha, falou praia, né gente?

- Xiiiiiii…. não vai dar certo…

Pois é, foi o que eu pensei também.

Então, agora imagina nossa cara, ao chegarmos numa PRAIA em dia NUBLADO, temperatura de 16 GRAUS e com água CONGELANTE e presenciar essa figurinha na maior felicidade do mundo:

Sem roupa, mamãe! Não quero roupa não!!!

* * *

Sim, minha gente, pois é por essas e outras que eu digo: nada como o tempo… nada como o tempo…

(ou será que o verdadeiro motivo é que ele tem complexo de esquimó, hein?)

Mas enfim, depois de assistir um desbunde destas proporções, só fico aqui no aguardo do desfralde em proporções gigantescas E efetivas.

Ai, ai… se pelo menos a gente morasse perto da praia, né? Dava pra começar com o desbunde, que eventualmente a gente ia chegar no desfralde… Mas como que eu iria saber que um dia ele gostaria tanto de uma praia, gente???

PS: E hoje foi o primeiro dia que  Nic ficou com cueca por várias horas e sem acidentes! Aguardemos as cenas dos próximos capítulos! :)


8 Comentários

Voltamos do passeio na roça!

Por fim, voltamos pra Vancouver! (Ou “Cuva”, como diz o Nicolas.rs)

Olha, passear na roça foi realmente muito bom… tranquilidade, cheiro de mato, andar com os pés descalços, acordar com os passarinhos… toda aquela coisa bem bucólica… mas duas semanas teve de BOM tamanho. Gente, difícil conseguir viver sem internet hoje em dia, né?

E na volta pra casa, com a cabeça leve, o corpo descansado e os dedinhos coçando pra teclar, viemos curtindo cada parada na estrada. Bom, claro que rolou uma sonequinha básica também, né? Porque o Nic já é um menininho crescidinho, mas não é de ferro…

A gente gastou dois dias entre a cabana nos arredores de Williams Lake e Vancouver – tanto pra evitar o cansaço das viagens longas de carro, quanto porque o cenário não nos deixava outra alternativa. Dá só uma espiada no visu… É de encher os olhos…

Ai, ai… É nessas horas que a gente tem cada vez mais certeza de ter escolhido o lugar certo pra morar… A província de British Columbia é realmente espetacular e pra quem pode, vale muito a pena visitar, especialmente entre Maio e Setembro, que não tem tantas chuvas. Daí você aproveita e vem tomar um cafezinho ou um suquinho aqui com a gente também! :-)

* * *

E pra não passar batido, a pesar da gente não dar muita bola pra essas datas, deixo aqui uma fotinha do papai brincando com o Nic, em comemoração do dia dos Pais (no calendário do Brasil). Feliz dia dos Pais atrasado, papai!!!



12 Comentários

Direto da roça canadense

Que sumiço hein pessoal?

Mas deixa eu contar. Tudo começou há uma semana atrás quando o Rafa chegou do trabalho e após uma longa pausa anunciou que teria que viajar de novo… por mais duas semanas.

- De novo? Mas você acaba de passar três semanas no Peru! – falei eu com o olho DESSE tamanho.

-   Mas desta vez, a viagem é aqui no Canadá mesmo e se você quiser pode vir junto. São oito horas de carro.

-   Ah é? E como é lá?

-   Bom, não é nenhuma cidade grande… mas a gente vai ficar numa cabana, perto de um lago. Dizem que é bem bonito.

-   É? Hmmm… E o que é que tem nessa cabana? Tem cozinha? Tem cama pro Nicolas?

-   Tem tudo, só não tem lençóis e cobertas. Mas isso a gente leva.

-   E lá tem sinal pra internet? Eu tenho um trabalho pra terminar e preciso de internet…

-   Não sei, mas acho que tem sim porque o escritório da empresa, que fica a uns 30km de lá, tem… Não vai ter problema não, você leva seu computador, seu material e trabalha lá. Vai ser ótimo, porque é super sossegado.

-   E quando é que você tem que ir?

-   Daqui dois dias.

* * *

Pois viemos e aqui estamos nós desde então… Já faz uma semana, mas parece que tem um mês. Os dias aqui demoram tanto pra passar que se bobear, quanto a gente voltar pra civilização, o Nic lá já vai ter dois anos de idade.

E claro que não tem internet, nem telefone, nem televisão, nem rádio e a cidade é tão pequena que eu nem vi quando passamos por ela. Mas o Rafa garantiu que existe.

Já o lugar onde estamos ficando é realmente bonito. E é sossegado até demais. Nos dias mais quentes a gente nada no lago, senta no pequeno porto com os pés dentro da água vendo os peixinhos nadando e as águias voando no céu, a gente corre, brinca e faz picnic na grama, ou simplesmente senta e joga conversa fora com os raros vizinhos que acampam ali ao lado (e que por sorte têm um menininho super simpático da mesma idade do Nic).

Aqui só nao dá pra soltar a imaginação e sair correndo e brincando de esconde-esconde em meio às árvores, porque isso aqui é terra de urso e em terra de urso não se brinca de esconde-esconde atrás das árvores. Especialmente, depois que você aprende que se você tem o infortúnio de cruzar com um deles, não pode correr por que eles são mais rápidos que qualquer humano, não adianta subir em árvores porque eles têm uma super habilidade pra subir também e tem que manter uma calma impassível, senão eles podem se assustar e te atacar. E se isso acontece, meu amigo, o conselho que os especialistas te dão é “lute com os recursos que você tiver pra tentar salvar sua vida”. Já pensou? E mesmo se eu conseguisse a proeza de manter a calma e sair de fininho, tenho certeza que o Nicolas diria em alto e bom som: “Vem cá ursinho! Passar mão! Passar mão!…” :-)

Quanto à cabana, é pequenininha, meio escura e bem antiga. Mas dá pra dormir. Bom… daria, se não fosse o Nicolas, que aqui tem dormido mal outra vez, contrariando totalmente a minha crença que criança que brinca o dia todo feliz e vai pra cama de noite ao som de grilos e cigarras dormisse melhor. E pra piorar, ele ainda encasquetou de pedir mamadeira no meio da madrugada e chora horrores se recusamos ou tentamos enganá-lo com água… Incrível, porque já tinha mais de oito meses que ele não mamava mais de noite! Sem contar que ele anda comendo super bem durante o dia… Ô fase complicada, sô…

* * *

E como eu não tenho internet, mas tenho um correspondente que lê meus emails e me conta tudo no final do dia,  é que  fiquei sabendo da bonita notícia que meu sobrinho nasceu! Viva o Yann!!! Querida Si, fiquei muito feliz de saber que tudo correu bem! Muita saúde e leite pra vocês! Não vejo a hora de conhecê-lo!

E agora que estamos visitando a cidade grande e eu tenho uns breves minutos na internet, também aproveito pra mandar mais recados…

- Famílias queridas, nossas passagens pro Brasil já estão confirmadas e daqui umas semanas nos vemos! Preparem-se pra noites do barulho! rsrs

- Tia Fafá, espero que tenha recebido as medidas do Nicolas. Tenho certeza que ele vai ficar muito lindo pro seu casamento!

- Fê querida, tô trabalhando nos seus desenhos!!!

- E à todos que por aqui passam: muito obrigada pelo carinho de sempre. Assim que eu voltar à civilização, prometo retribuir as visitas e responder aos recadinhos e emails.

Beijinhos e mais fotos daqui!

 

 

 

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 533 outros seguidores