O lado cômico da maternidade


33 Comentários

O primeiro aniversário da Lily

O dia em que ela completou a viagem de 365 dias ao redor do sol amanheceu perfeito! Céu azul, sol incrivelmente brilhante – mas sem ser muito quente, brisa incrivelmente fresca – mas sem ser muito fria, e um singelo coro de passarinhos na janela.

Mentira. Tava tudo neblinado, chuvoso, um frio de lascar e um bando de corvo barulhento fazendo algazarra perto da nossa janela.

Tá, você me pegou. Não tinha corvo nenhum. Mas o resto, eu juro de pés juntos que foi verdade!

Lilinha

E foi nesse dia frio que todo mundo acordou com a cara amarrotada, cansada, desenxabida, assim como é comum naqueles que não dormem direito. Mas se existe algo bonito nessa vida capaz de espantar qualquer mal-humor e desenxabimento pós noites atribuladas, é poder acordar, e mesmo que com o rabicho do olho, ver a carinha de uma criança que tenha a habilidade de sorrir não somente com a boca, mas também com os olhos.

E isso não tem preço.

Com um sorriso desses, tudo ficou mais bonito e até o dia lá fora ficou parecendo menos cinza. Um cinza com toque de lilás, eu diria.

IMG_1774

E da mesma forma como haviam sido nos últimos 37 dias de sua existência, naquela manhã também acordamos perguntando:

- Quantos aninhos você está fazendo, Lilinha?

E exatamente como nos últimos 37 dias de sua existência, ela prontamente mostrou o dedinho indicador fazendo o número “UM”.

Fofa.

Então decidimos que passaríamos um dia todinho fazendo só coisas que ela gostasse, posto que o dia era dela e isso seria uma coisa normal de se fazer.

Começamos perguntando se seria de seu agrado almoçar fora e com impressionante veemência ela balançou a cabeça que sim. Jamais saberemos se nossa florzinha realmente entendeu a pergunta, mas o que importa é que a resposta foi muitíssimo apreciada, uma vez que ninguém queria mesmo cozinhar. Coincidentemente, o restaurante favorito dela era também o nosso, e com isso não poderíamos ter ficado mais felizes.

restaurante

Chegando lá, teve de tudo um pouco: brincadeiras com carrinho, com boneca, contação de histórias de todo tipo, muitos sorrisos, nenhum choro e finalmente, a comida! Claro que ninguém quis saber de fotografar essa parte, já que cada qual tinha coisa muito melhor pra fazer.

Justo na frente do restaurante preferido, se encontrava também – ó surpresa! – um de seus parquinhos preferidos. Sim, porque todo parquinho que tenha pelo menos um escorregador, um par de balanços, pessoas com boa vontade pra te empurrar, vista pro mar e uma mamãe pra te dar mamá, não pode de jeito nenhum ser um lugar menos que ótimo.

parque copy
parque2 copy

E tanto brincaram que na volta pra casa não teve um que não tenha dormido. Mentira, o papai teve que dirigir. Mas o resto, garanto: todos capotados. Tá, mentira, eu vim mexendo no Instagram, mas as crianças, essas sim, todas roncando. Tá, admito, só a Lily dormiu. Okay, okay, ninguém dormiu na verdade. (Satisfeito?) :)

Mas enfim…

Uma vez em casa, o momento mais esperado do dia: hora de cantar os parabéns, comer o bolo que a mamãe fez com muito carinho no dia anterior e finalmente tirar a clássica foto da aniversariante fazendo o “UM” com o dedinho. Após 37 dias de prática intensiva e bem sucedida, nada podia dar errado.

bolo

Começamos tentando a foto dela na frente do bolo. Nada (!). Com a mamãe. Nada (!!). Com o papai. Nada (!!!). Com o irmãozinho. Nada (!!!!). Perplexos, concluímos o que tentávamos negar pra nós mesmos: nossa florzinha só podia estar sofrendo da famosa e temível Síndrome do Aparatus Fotográficus. Desconsolados, desligamos as câmeras e com presteza Liloca fez o “UM”. Fez pose sorrindo, com carinha de bichinho, biquinho – todo tipo de fofura imaginável.

Mas como sabemos, mães são criaturas obstinadas e que não descansam nunca (nunca mesmo!) e num momento de brilhantismo, esta mesma mamãe que vos escreve conseguiu driblar a tal Síndrome boboca, e fingiu – percebam só – que usava o celular NÃO pra tirar foto, mas pra conversar com a Cuca: “ô Cuca, que pena que não deu, menina! Mas no ano que vem você vem…” e CLIQUE!

um

Tirou uma foto bem meia boca, mas tirou! Inclusive com Liloca falando UM e tudo. :)

10 Síndrome x 1 Mamãe

* * *

E quando a noite não podia ficar mais emocionante, a aniversariante foi pro chão e ó, ó, ó! Deu 5 passinhos! Depois levantou toda afoita e deu mais 3. E depois mais 3. Infelizmente isso ninguém conseguiu registrar.

Desde esse dia, tem hora que ela anda, tem hora que ela fala “UM”, tem hora que mostra o “UM”. Tem hora que fala o nome, que faz pick-a-boo ou não quer fazer nada. Não importa – cada uma dessas são habilidades que ela vai dominar com o tempo.

Screen Shot 2013-02-14 at 4.44.44 PM

O que importa, é que a nossa Liloca já domina uma das habilidades mais doces do mundo – a de sorrir com os olhos.

E isso, meus amigos, não tem preço.


34 Comentários

Lily e a incrível viagem de 365 dias ao redor do sol


Então que Lily fez um ano.

Incrível pensar que um toquinho de gente desse, nem tão maior que um pinguim da Antártica, tenha sido capaz de completar com MAESTRIA sua primeira volta em torno do sol! Clap, clap, clap! E depois dizem que mãe é exagerada e vê genialidade em filho por qualquer coisa. Vê se um bebê que consegue performar uma translação elíptica dessas só não pode ser um GÊNIO, gente?

E como se uma conquista de tal nível astronômico não bastasse, a cria vai chegando nessas idades redondas e o cérebro da gente já se aciona esperando MAIS surpresinhas, né? Pobres crianças. Sim, porque mesmo sabendo que criança não é ciência exata (apesar da trajetória elíptica e tal), bem no fundo você sabe que a hora dela andar se aproxima, a hora dela começar a falar aquele tanto de palavrinhas erradas, emboladas e fofinhas também, e até quiçá (é, daí você se arrisca um pouquinho mais), a hora dela passar a dormir a noite toda. Em outras palavras, ela tá pra fazer um ano e seu coração se enche de esperança.

Dia desses, eu estava trocando umas ideias com meu filho Nicolas (4 anos), e depois de uma acalorada discussão sobre meios de transporte alternativos (na qual concluímos que submarinos não passam de helicópteros sem hélice que sabem nadar), ele me vira e pergunta:

- Mamãe, mas o que vai acontecer quando a Lily fizer um ano?

- Ah, a gente vai fazer um bolinho gostosinho e comer tudo!
+

Ele sorri um sorriso tipo “legal, mas não é bem isso que eu queria saber” e continua:
+

- Mas ela vai ser uma criança adulta?

- Não, ela vai ser uma menininha mais crescidinha.

- E vai saber andar e falar?

- Se tudo correr bem, não só andar e falar, Nic, mas também dormir. Dormir a noite todinha, já imaginou?

Eu disse. Esperança.

* * *

Assim, que poucas semanas antes da Lily concluir sua jornada solar, algumas mudanças realmente foram se materializando aqui e ali. Nasceram 6 dentinhos na boca, ela voltou a comer bem (eeehh!) e aprendeu a falar “dá” quando queria alguma coisa. Até que veio a mudança que mudaria radicalmente nossos dias… e noites: ela esqueceu completamente como é que se dorme.

Bacaninha, né? Então. Lily foi acometida pelo que a comunidade médica internacional chama de ANAP - Aminesius Narcolepticus del Anno Primo. Síndrome catalogada e tudo.

Não que ela já dormisse super ultra bem, não, afinal, em 1 ano de vida ela nunca dormiu sequer uma noite completa. Mas ó, ela já estava acordando somente uma vez pra mamar e voltava a dormir imediatamente. Quer melhor que isso? Tava perfeito. De dia também: uma soneca de 40 minutos pela manhã, outra de duas a três horas pela tarde (!!) – e todas no berço (!!!). Te-ju-ro. Nada que me lembrava nem remotamente a época do lenga-lenga bizarro.

Eu nem mesmo cheguei a comentar sobre esse avanço aqui no blog, por pura superstição simples sabedoria. Porque já reparou? Se a cria desfralda e a gente vem toda-toda contar no blog, grandes chances que ela virá a desdesfraldar logo mais. Se de repente o filho abre a boca a comer de tudo e você abre a boca a contar tudo, não dou 24 horas pra que ele volte ao antigo modus seletivus de só aceitar arroz com ovo pelo próximo mês. Porque é assim que funciona, amigos. Blogou, degringolou. É a chamada Pragus di Blogus, já ouviu falar? Teoria super famosa e embasada.

Por isso não quis arriscar e ficar tirando onda que Liloca tava dormindo igual foca no sol, ne? Vocês hão de me entender. Só pena que não adiantou nada e ela desaprendeu a dormir do mesmo jeito. Foi só a gente voltar do Mexico que Lily ficou ligadona. Arriba, arriba! Hoje em dia, suas sonecas não passam de meia hora e por vezes ela só dorme 10 minutos! Tô de brincadeira não! O que que uma mãe faz em dez minutos, gente?

Já à noite, Liloca instituiu o Happy Hour, que costuma ir mais ou menos de 2 às 4 ou 5 da manhã. Ela acorda, começa a conversar e rir sozinha (lance pirado mesmo), depois, parece que vai ficando entediada e começa a querer puxar papo, puxar meu cabelo, beliscar meu nariz e escalar minhas costas. Se eu passo ela pro berço é choro na certa. Não adianta dar peito, cantar, massagem, nada. Tem que esperar o tempo dela de fechar o boteco.

Com isso, tô tão sem dormir, que um dia eu passeava pelas ruas procurando uma loja pra comprar bombas de chocolate um mercado pra comprar quinoa, quando me deparo com um cartaz desse tamanho na frente do Scotiabank, mostrando uma menininha que era A CARA da Lily. Espia só. Creepy, huh?

lily_sosia

Fiquei dura, paralisada, estupefata. Por causa da semelhança? Também, mas a verdade é que na hora, eu nem sequer tive a destreza de notar que não era a minha filha, e tudo o que eu conseguia pensar era QUEM finalmente tinha conseguido fazer a Lily dormir daquele jeito e ainda por cima escorada num braço de sofá daqueles!

Sim, amigos, vocês acertaram – eu estava sofrendo alucinações terribilíssimas causadas pela famosa síndrome do Sonus Deprivatus Maternus. Muito comum, infelizmente.

Quando dei por mim, eu já estava babando, me arrastando e olhando com um olhar semi-cerrado pra um banco da rua na minha frente. Sabe quando você liga o automático “filho dormiu aproveita pra dormir também”? Pois é. O que me salvou de uma cena lamentável foi um dedinho gordinho saindo do carregador de bebês das minhas costas, seguido de uma vozinha toda feliz: ií-iy. Falava a voz. Praticamente uma palavra com 4 “i”s, assim como iô-iô, mas com “i” no lugar do “ô”, sabe?

Era a Lily falando o nome dela, balançando de alegria e olhando pra menininha-sósia do cartaz do banco.

Recobrei minha consciência, comprei um café ultra forte, uma caixa de bombas de chocolate e um pacote de quinoa, e voltei pra casa pra fazer o bolo de aniversario da minha querida viajante cósmica. No dia seguinte ela completaria sua primeira trajetória elipsoidal e eu não poderia estar mais emocionada. Entrei no carro e fui pensando que “e daí se a bebê não dorme quando ela sabe falar o próprio nome?”.

Amo essa minha menininha esperta!

PS: aguarde que no próximo post tem mais!


5 Comentários

…e aí vem meu menininho…

DSC02914

- aquele que agora só quer saber de ficar em pé na banheira e observar seus brinquedinhos sendo jogados no chão um por um,

- que não aceita chapéu ou babador pra comer e chora só de me ver aproximando com um sapato pra calçá-lo,

- que não aceita ser coberto pra dormir de jeito nenhum e se debate como um polvo até que esteja descoberto completamente e daí continua a dormir (ou não),

- que adora escutar a mamãe contando a cada unha dele que é cortada e espera ansiosamente pra ouvir o número “cinco!” e daí cair na gargalhada,

- que agora tem muito medo de aspirador de pó e ventilador, mesmo desligados,

- que quer escovar os dentes sozinho, mesmo sem saber ainda,

- que conversa falando multi-sílabas e as vezes dá a impressão que ele está conversando “de verdade” com seus bichinhos,

- que esconde tudo debaixo do sofá, cama ou estante,

- que adora chá de erva-doce e quando me vê preparando já fala “sá!” e estica os bracinhos pra pegar a caneca…

Mas que por outro lado… ainda chora quando está cansado, tem que ser embalado até dormir e mama como um bezerrinho…

Quem foi que falou que ainda não é um bebê? :-)


4 Comentários

Lá vai o meu bebezinho…

O tempo vai passando e cada vez mais o bebê dá lugar ao menininho… No tamanho, nas feições, na personalidade… e aos poucos vai mostrando que tem gostos e vontades próprias…

Hoje eu estava revendo algumas fotos e matando a saudade dos seus primeiros meses, pois mal consigo acreditar que ele já tenha feito 1 ano! Me emocionei ao lembrar…

… daquele neném gordinho, que nasceu com 4,15kg, cabeça quase carequinha, bochechas rosadas, olhos de jabuticaba e umas pernocas gordas de dar gosto… A barriga era roliça, os dedos dos pés super compridos e as unhas das mãos enormes…
1-hospital
… daquele neném de sonequinhas curtas, de choro forte e gargalhadas muitas vezes imprevisíveis…

… daquele neném que sempre adorou ter muito espaço pra dormir, liberdade pra se movimentar e a ausência de roupas, e por isso nunca se adaptou bem ao sling ou ‘charutinho’…
2-despojado
… daquele neném que ri com os olhos, que adora fazer coisas que nos matam de rir e expressões nada convencionais…
3-milcaras
… daquele neném companheirinho, que sempre topou qualquer parada, seja aceitando nosso gosto musical (pelo menos até agora!), se fantasiando de bebê-Noel no Natal quente da Australia ou encarando 28 horas de voo* pra visitar o Brasil, país que um dia esperamos que ele aprenda a gostar com todo o seu coração…

… daquele neném que se aventurou por Dubai se mostrando super interessado em tudo e só chorava quando seu fuso horário indicava que era mesmo hora de ir pro hotel e dormir…

4-qualquerparada

… e daquele neném que mesmo com tão pouca idade já conheceu a sensação de ser amado profundamente…  

5-familia

*PS: o voo de ida pro Brasil foi complicadissimo, mas felizmente conseguimos um assento livre em todos os voos de volta! Um alívio!


10 Comentários

1 ano nicolando!!!! *Os parabéns*

Eu sempre admirei as pessoas que têm ânimo e talento de fazer festas, planejar vários detalhes lindos, decorar o lugar e chamar aquele tanto de gente. Eu adoro comemorar os eventos, mas MORRO de preguiça de fazer festa. Aliás, acho que nem sei fazer essas coisas. Nem o Rafa, que se bobear é ainda mais desligado que eu…

Bom, mas isso não quer dizer que a gente não queira vencer a preguiça e essa nossa falta de jeito e aprender, pois sabemos que vai chegar um momento na vida do Nicolas que estas coisas vão ser importantes pra ele… Afinal, é mesmo gostoso reunir os amiguinhos e brincar de um tantão de coisas com eles, comer guloseimas saborosas¹ preparadas especialmente pra ocasião, ter aquele coro de vozes amigas pra cantar os parabéns, se lambuzar de bolo e depois de tudo dormir exausto, mas com um sorriso e o coraçãozinho feliz…

Mas aí, chega o primeiro aninho do Nicolas… Festa de 1 ano em geral não é pro bebê, mas pra nós pais e a família, né? Só que como moramos longe de todos, desencanamos totalmente de festa e resolvemos que faríamos um bolinho simples na praia e uma farra só entre nós três mesmo.

O problema, é que eu acho que exagerei no “desencanamento”, pois minha ÚNICA preocupação era fazer um bolo que o Nicolas pudesse comer à vontade (considerando que ele ainda não come açúcar) e esqueci da apresentação e acompanhamentos. Pensei em bolo de banana sem açúcar, mas acabei fazendo um bolo de laranja daquelas bem docinhas. O bolo ficou gostoso (eu e o Rafa comemos com sorvete!) mas ficou tão micho²… Eu até me diverti tentando fazer a cara de um coala no bolo (que o Nic adora), mas além de parecer tudo quanto é coisa menos coala, ficou realmente borocrochô³

Bom, o Nic não tava nem aí se tava feio ou bonito… ele tava era feliz da vida (principalmente por causa dos óculos que a gente usava e dos balões que depois a gente jogou pelo chão), mas eu confesso que adiei ao máximo escrever este post e colocar as fotos aqui… Aliás, eu estava até tampando a foto do bolo com outra foto, se não fosse o Rafa pra me impedir e dizer que o que importava era o carinho com que eu tinha feito… Melhor pensar assim então. :-)

1 porém saudáveis, viu Nic!

2 palavra que a minha irmã usa pra dizer “sem graça”

3 palavra que a minha mãe usa pra dizer “sem graça”

E vão aí as fotos!

montagem

Nic, agora, além dos carinhosos comentários deixados nesses últimos posts, dá uma olhada nas lindas mensagens que você recebeu das suas avós, tios e priminhos lá do Brasil. Mesmo longe, dá pra sentir o carinho e amor deles, né?

Essa veio da vovó São e dindinhos Patti e Didô:

ni

Nic,

Estamos passando por aqui pra mandar um “cheiro” bem gostoso à distância.

Com certeza a melhor coisa que aconteceu em 2008 foi a sua chegada ao mundo. E com mais certeza ainda o evento de 2009 foi sua vinda ao Brasil. Tivemos a tão sonhada oportunidade de ver, tocar e ouvir você de pertinho. Foram dias maravilhosos. Inesquecíveis.

Nesse seu aniversário de 1 ano queremos mandar um PARABÉNS bem grande, do tamanho do nosso amor por você.

Esperamos que quando tiver idade para ler esta mensagem nós estejamos bem coladinhos…

Te amamos muuuuuuuuuuuuuuuuito. Parabéns!!!!!!!!!

Beijos e um sorriso enorme pra você.

E esse vídeo (que você assistiu em pé e batendo palminha sem apoiar em nada por alguns segundos) é da vovó Stela, tias Marcela, Fabiana, Fernanda, tio Bruno e Dudu. Na verdade, tava todo mundo de pijama nesse vídeo, daí eu cortei… a resolução não ficou tão boa, mas pelo menos ninguém vai ficar constrangido!

E não podia faltar a tia Si, minha irmãzinha do coração e considerada parte da família, sempre tão doce com suas palavras…

Sobrinho,

Você completa um aninho que está entre nós (sua mãe cuida da sua presença em nossas vidas: viva a tecnologia!!!) e traz grande alegria para todos que conhecem seus pais !!!

Viva intensamente, mas com grande equilíbrio como seu pai e sua mãe ! São grandes exemplos para você e para todos nós ! Sinta-se privilegiado !

Curta seus brinquedos, especialmente aqueles que sua mãe fez com todo carinho ! Pule muito, coma bastante, pelo menos o suficiente para crescer forte e saudável! Muitas e belas aventuras te esperam neste mundo maravilhoso, cheio de beleza e amor: sei que é isso que você vai encontrar pela vida !

Receba um grande, gostoso e apertado abraço da sua tia, que sempre está presente em pensamento e sentimento !

Que Deus te abençoe hoje e sempre ! Feliz Aniversário !!!!!!!

Com amor,

Tia Si e Tio Rodrigo


8 Comentários

1 ano Nicolando!!!! *Na praia*

Chegamos da viagem! E agora tô super, super atrasada com as notícias… tanta coisa (boa) acontecendo aqui na Nicolândia…  Mas aos poucos eu vou contando… Deixa eu postar logo como foi o aniversário de 1 ano do Nicolas antes que ele complete 2! haha

Bom, desde que o Nicolas nasceu essa foi a terceira vez que fomos pra praia. Na primeira ele tinha três meses e odiou, chorou muito… Na segunda chorou pouco, mas também não deu muita bola, e na última ele finalmente se divertiu mais.

Eu confesso que praia não é dos nossos destinos favoritos… a combinação de água salgada melando, sol forte, areia e vento realmente me dá gastura (somos desses mineirinhos bem acostumados com cachoeira…). No entanto, uma vez que moramos nesse imenso continente-ilha, composto basicamente de outback e costa, não ir à praia seria bem tosco da nossa parte. Isso sem falar que as praias daqui são tão lindas e bem preservadas, que valeria a pena somente ir e ficar admirando…

IMG_6890

Ficamos numa pousada bem atrás desses pinheiros.

Assim, fomos pra praia mais próxima – Esperance, a 400km daqui. E pra nossa sorte o clima estava ótimo (bem que você falou, Bel!). Foi a primeira vez que fomos lá e não tinha aquela ventania fria e cortante e fazia muito calor… mas a água estava petrificante de tão gelada, brrrrr… (também, o que mais esperar do Oceano Antártico?).

IMG_6908 - Copy

O Nicolas começou estranhando bastante o calor, aquela camada espessa de protetor solar, o chapéu que ele teimava em tirar e a areia… Mas aos poucos foi se soltando e explorando o ambiente. Começou comendo areia com a pazinha, fez cara feia pra logo em seguida colocar mais na boca… E ele ainda mastigava! Então, passava a mão na cara, enchia os olhos de areia, ameaçava chorar. Foi quando ele começou a engatinhar pra todo lado e não pensou duas vezes antes de seguir o papai, que corajosamente foi dar um mergulho, e encarou água fria e tudo sem chorar! Fiquei boba! 

IMG_6940

E pra ele não ficar na água sozinho, corri atrás e aos poucos fui deixando ele experimentar a água ali no rasinho. E como eu gritava toda vez que vinha uma onda e nos molhava (fresca, né?), o Nicolas logo já estava gritando comigo “Ai!” e ria…  E depois disso, ele ficou muito mais relaxado… brincou, brincou, e até aproveitamos pra fazer um bolo com areia e cantar parabéns.

Assim, nossos dias na praia foram ótimos… e totalmente dedicados à celebrar a vida com nosso querido bebê que há (pouco mais de) um ano nos presenteia com seu sorriso e meiguice e nos completa tanto…

. . .

E quanto ao bolo comestível… bom, esse eu tô morreeeendo de vergonha de mostrar, mas fica pro próximo post. Por enquanto deixo vocês com mais fotos com o Nic e das belíssimas praias que visitamos…

Nic&Daddy
Xodó do papai
Nic&Mami

Delícia da mamãe

IMG_6995

Praia em frente o centro de Esperance

A foquinha Sammy, que mora nas imediações

A foquinha Sammy, que mora nas imediações

capelegrand

Mosaico de Cape le Grand, praia super tranquila a 60km de Esperance

IMG_7026IMG_7042IMG_7029IMG_7045

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 529 outros seguidores