O lado cômico da maternidade


33 Comentários

O primeiro aniversário da Lily

O dia em que ela completou a viagem de 365 dias ao redor do sol amanheceu perfeito! Céu azul, sol incrivelmente brilhante – mas sem ser muito quente, brisa incrivelmente fresca – mas sem ser muito fria, e um singelo coro de passarinhos na janela.

Mentira. Tava tudo neblinado, chuvoso, um frio de lascar e um bando de corvo barulhento fazendo algazarra perto da nossa janela.

Tá, você me pegou. Não tinha corvo nenhum. Mas o resto, eu juro de pés juntos que foi verdade!

Lilinha

E foi nesse dia frio que todo mundo acordou com a cara amarrotada, cansada, desenxabida, assim como é comum naqueles que não dormem direito. Mas se existe algo bonito nessa vida capaz de espantar qualquer mal-humor e desenxabimento pós noites atribuladas, é poder acordar, e mesmo que com o rabicho do olho, ver a carinha de uma criança que tenha a habilidade de sorrir não somente com a boca, mas também com os olhos.

E isso não tem preço.

Com um sorriso desses, tudo ficou mais bonito e até o dia lá fora ficou parecendo menos cinza. Um cinza com toque de lilás, eu diria.

IMG_1774

E da mesma forma como haviam sido nos últimos 37 dias de sua existência, naquela manhã também acordamos perguntando:

- Quantos aninhos você está fazendo, Lilinha?

E exatamente como nos últimos 37 dias de sua existência, ela prontamente mostrou o dedinho indicador fazendo o número “UM”.

Fofa.

Então decidimos que passaríamos um dia todinho fazendo só coisas que ela gostasse, posto que o dia era dela e isso seria uma coisa normal de se fazer.

Começamos perguntando se seria de seu agrado almoçar fora e com impressionante veemência ela balançou a cabeça que sim. Jamais saberemos se nossa florzinha realmente entendeu a pergunta, mas o que importa é que a resposta foi muitíssimo apreciada, uma vez que ninguém queria mesmo cozinhar. Coincidentemente, o restaurante favorito dela era também o nosso, e com isso não poderíamos ter ficado mais felizes.

restaurante

Chegando lá, teve de tudo um pouco: brincadeiras com carrinho, com boneca, contação de histórias de todo tipo, muitos sorrisos, nenhum choro e finalmente, a comida! Claro que ninguém quis saber de fotografar essa parte, já que cada qual tinha coisa muito melhor pra fazer.

Justo na frente do restaurante preferido, se encontrava também – ó surpresa! – um de seus parquinhos preferidos. Sim, porque todo parquinho que tenha pelo menos um escorregador, um par de balanços, pessoas com boa vontade pra te empurrar, vista pro mar e uma mamãe pra te dar mamá, não pode de jeito nenhum ser um lugar menos que ótimo.

parque copy
parque2 copy

E tanto brincaram que na volta pra casa não teve um que não tenha dormido. Mentira, o papai teve que dirigir. Mas o resto, garanto: todos capotados. Tá, mentira, eu vim mexendo no Instagram, mas as crianças, essas sim, todas roncando. Tá, admito, só a Lily dormiu. Okay, okay, ninguém dormiu na verdade. (Satisfeito?) :)

Mas enfim…

Uma vez em casa, o momento mais esperado do dia: hora de cantar os parabéns, comer o bolo que a mamãe fez com muito carinho no dia anterior e finalmente tirar a clássica foto da aniversariante fazendo o “UM” com o dedinho. Após 37 dias de prática intensiva e bem sucedida, nada podia dar errado.

bolo

Começamos tentando a foto dela na frente do bolo. Nada (!). Com a mamãe. Nada (!!). Com o papai. Nada (!!!). Com o irmãozinho. Nada (!!!!). Perplexos, concluímos o que tentávamos negar pra nós mesmos: nossa florzinha só podia estar sofrendo da famosa e temível Síndrome do Aparatus Fotográficus. Desconsolados, desligamos as câmeras e com presteza Liloca fez o “UM”. Fez pose sorrindo, com carinha de bichinho, biquinho – todo tipo de fofura imaginável.

Mas como sabemos, mães são criaturas obstinadas e que não descansam nunca (nunca mesmo!) e num momento de brilhantismo, esta mesma mamãe que vos escreve conseguiu driblar a tal Síndrome boboca, e fingiu – percebam só – que usava o celular NÃO pra tirar foto, mas pra conversar com a Cuca: “ô Cuca, que pena que não deu, menina! Mas no ano que vem você vem…” e CLIQUE!

um

Tirou uma foto bem meia boca, mas tirou! Inclusive com Liloca falando UM e tudo. :)

10 Síndrome x 1 Mamãe

* * *

E quando a noite não podia ficar mais emocionante, a aniversariante foi pro chão e ó, ó, ó! Deu 5 passinhos! Depois levantou toda afoita e deu mais 3. E depois mais 3. Infelizmente isso ninguém conseguiu registrar.

Desde esse dia, tem hora que ela anda, tem hora que ela fala “UM”, tem hora que mostra o “UM”. Tem hora que fala o nome, que faz pick-a-boo ou não quer fazer nada. Não importa – cada uma dessas são habilidades que ela vai dominar com o tempo.

Screen Shot 2013-02-14 at 4.44.44 PM

O que importa, é que a nossa Liloca já domina uma das habilidades mais doces do mundo – a de sorrir com os olhos.

E isso, meus amigos, não tem preço.


8 Comentários

Toda criança quer

Então parabéns pra quem falou “Toda criança quer” na brincadeira do último post!

Fala sério gente, tava moleza de acertar, né não? (haha)

Pra quem não conhece a música, estou colocando o video abaixo. Até onde eu sei não existe um video oficial da música, então roubei um que eu achei bonitinho do youtube mesmo. Vale a pena ouvir, a música é muito linda… eu adoro!!!

* * *

E pra não falar que eu só passei pra isso, vamos à algumas curtinhas, que tal?

- Nic continua chato pra comer. De frutas só come banana e olhe lá. De legumes, só brócolis, mas claro, isso também depende do humor dele. Arroz é sempre bem vindo, desde que não venha com feijão. Ovo e carne são imprevisíveis – um dia adora, vários dias não quer nem ver. Não come sopa, nem macarrão, sem salada, mesmo que venham fantasiados com olhos, bocas ou rodas. Nem uma feijoada caseira linda, gostosa e feita com carne de churrasco (!) como essa ele quis saber… Tem bobo pra tudo…

Mas enfim, descobri que o lado bom dele não comer é que pelo menos não estraga os dentes, né gente? Que esses sim, continuam branquinhos, alinhadinhos e lindos, assim, como se nunca tivessem sido usados, sabe? ;-)

- E sabe que de repente aflorou no Nic uma agressividade que nunca vi antes? Sem qualquer estímulo aparente, de repente ele chuta brinquedos, arremessa coisas, simula explosões e acidentes de carro e cospe no chão (sim, cospe!). Normal isso, gente? É coisa que toda mãe deve esperar no pacote de “meninos” mesmo, ou devo me preocupar?

- E apesar de não comer, energia é coisa que não falta no menino Nicolas. Corre o tempo to-do. Um dos mistérios da natureza. Se estamos conversando com alguém, ele está dando voltas ao redor da gente. Se vamos à biblioteca, ele empilha alguns livros no chão, toma distância e salta os livros. Se vamos ao parque, passa mais tempo correndo ao redor do playground que brincando nele. Enfim, menino ativo precisa de atividade. Né?

+

PS: video feito no único dia com cara de verão que a gente teve até hoje esse ano!

PS2: cuidado com volume do som, minha risada no final é escandalosa! :)

Beijos e até a próxima! :)


8 Comentários

Más notícias sobre sua popularidade, papi

“Bad news Dad. Your polls are way down.”
“My polls?”
“You rate especialy low among tigers and six year old white males.”

*

Ontem, hora de escovar os dentes pra dormir, Nic se recusando a deixar escovar, como de costume.

- Abre a boquinha, Nic… Olha só, o papai já escovou os dentes. Agora é a sua vez!

Nic continua com a boca fechada.

- E esse cachorrinho aqui também já escovou – fala mamãe pegando um cachorrinho de pelúcia qualquer.

Nic abre um pouco a boca.

- O Buzz Lightyear também já escovou!

Nicolas abre mais a boca.

- E o Pé com Pé também! – arrisca mamãe falando a coisa mais nonsense do mundo.

Nicolas abre um bocão desse tamanho.

* * *

É…. papai, melhor ir pensando na sua estratégia pras próximas eleições, hein?… :-)

Ah! Uma boa dica pode ser começar a aprender mais umas músicas do Pé com Pé, que no momento anda bem em alta, né?


16 Comentários

Foi ao dentista, largou a chupeta e se amarrou numa massagem

Eu vou contar três fatos sobre o Nicolas (na verdade alguns têm mais à ver com decisões que tomamos pra ele, mas tudo bem):

1º. Nunca gostou de massagem. Bom, pra começar, nos primeiros meses eu nem sequer conseguia encontrar o momento ideal pra fazer uma massagem nele. Isso porque shantala não deve ser feita quando o bebê está com fome, nem com barriga cheia, nem com sono, ou chorando. Pois sobrava algum espaço aí? Eu não conseguia encontrar.

Mas daí ele foi crescendo e os momentos foram aparecendo. O meu preferido era depois do banho, antes de dormir. Eu abaixava a luz, passava creminho, colocava a cabeça dele mais alta num travesseiro pro refluxo não incomodar… mas, ele só sabia chorar. Não tinha toque de borboleta que o acalmasse, e o momento que deveria ser relaxante era puro stress, então pensei que talvez massagem não fosse o lance dele e parei.

2º. Sempre usou chupeta. Eu sabia muito bem que chupeta é um condicionamento desnecessário que nós, pais, criamos pros nossos filhos e que no final das contas quem mais sofre pra perdê-lo são eles. Injusto né, e por isso mesmo decidimos que chupeta lá em casa não passaria nem perto… Bom, isso até o Nicolas nascer, ter muita dificuldade de dormir e mamar, e chorar muito. Por total falta de experiência pra pensar em outras alternativas, pensamos que talvez o que estivesse faltando fosse a dita-cuja.

Depois, viemos a descobrir que o que o incomodava mesmo era um negócio chamado refluxo. Então veio o doutor e disse que a chupeta era até muito bem vinda nesse caso, já que aumentava a produção de saliva e ajudava a combater a acidez. Amparados por essas palavras, e de consciência mais limpa, seguimos com a chupeta, apesar de sempre atentos ao melhor momento de tirá-la. No entanto, com o passar do tempo, a danada foi se tornando cada vez mais nossa aliada pra fazê-lo dormir, nas viagens de carro e avião, e assim o momento ideal de tira-la parecia estar cada vez mais distante…     

3º. Aos 18 meses de idade nunca tinha ido ao dentista. Apesar de todas as recomendações de levar os bebês ao dentista ao sair o primeiro dente, ou ao menos, ao completarem um ano, a gente decidiu adiar essa visitinha ao máximo. Eu previa um desastre, considerando o malabarismo que eu tenho que fazer pra conseguir escovar seus dentinhos todos os dias e sem falar no comportamento dele até mesmo pra cortar o cabelo – imagina se no dentista seria diferente…, eu pensava. Além disso, achei $170.00, um valor alto demais pra pagar pra ver. Então me agarrei com a Fadinha do Dente e pedi pra que ela protegesse os dentinhos dele até ele crescer só um pouquinho mais.

* * *

Bom, no final das contas, viemos pro Canadá e tínhamos que conseguir um dentista de família de qualquer forma. “Obrigada, Fadinha, mas o momento já chegou”.  

Acontece, que criança tem mesmo o poder de nos surpreender, né? Sempre! Coisa linda, isso… Não é que a gente foi nesse doce de dentista (dentista não deveria ser tão doce, mas essa é), que com suas luvas alaranjadas e toques delicados, conseguiu com que o Nicolas abrisse o maior bocão e ainda ficasse lá deitado super quietinho e FELIZ? E não fechou a boca nem quando ela terminou de olhar tudo! Surpreendente…  

Ela contou que os dentinhos dele estão de um branco alvo e perfeição jamais vistos super bem cuidados, MAS… que a arcada superior dava leves sinais de arqueamento. “Ele chupa dedo?” – ela me perguntou.

- Não, chupeta. Mas já tá parando.

E assim foi. Chegamos em casa e eu imediatamente escondi a chupeta. Nem pensei no que iria dizer pra ele. Na hora da soneca ele então me pediu. “Bico, mami.” (aqui em casa a gente chama de bico). Então eu falei a primeira coisa que me veio à cabeça e que eu sabia que ele entenderia “o cachorro comeu o bico” (a gente tinha acabado de brincar com uns cachorros no parque). Ele resmungou um pouco, pediu mais algumas vezes, mas dormiu. Também dormiu bem à noite nesse mesmo dia. No segundo dia é que acho que a ficha dele caiu e ele se deu conta que realmente não teria mais chupeta e chorou muito na hora de dormir. Foi uma hora e meia falando “cadê bico? Cadê bico?”. Fechava os olhinhos, mas não conseguia dormir.

Então ocorreu o inesperado. Instintivamente eu e o Rafa começamos a fazer massagem nele, cada um num bracinho e ele… AMOU. Ficou super relaxado e tinha momentos que até fechava os olhinhos. Depois disso, dormiu super bem.

E desse dia em diante, ocorreu a mágica inversão. O uso da chupeta deu lugar à massagem. Um conforto de melhor qualidade, que aproxima a gente e que não estraga os dentes!

“Maaaaaami! Paaaaapi! Mais massagem!”

* * *

Em tempo, um recadinho pra outras mamães:

- a facilidade de tirar a chupeta do Nicolas foi um caso em um milhão. Na maioria das vezes o processo envolve muito choro, sofrimento e noites mal dormidas, por isso, pense com carinho antes de oferecer chupeta ao seu bebê.

- eu tive o exemplo da minha irmã, que só foi largar a chupeta com 3 anos de idade, mas que mesmo assim teve sua dentição intacta. Por isso, no fundo eu pensava que chupeta talvez nem fosse tão prejudicial como todos sempre diziam. Agora, com o caso do Nicolas, sei que o efeito delas existe sim, e que o fato dele chupar a ortodôntica e só pra dormir também não ajudaram em nada.

- se seu filho já usa chupeta, não faça como eu e espere os primeiros sinais negativos do seu uso. Comece a tirá-la o mais rápido possível, e uma vez tomada a decisão jamais volte atrás.


8 Comentários

16 meses nicolando

1 ano e 4 meses de idade, quase 12kg de peso, 12 dentinhos na boca, 4 pontinhas de caninos saindo e inúmeras conquistas…

E devo contar, meus amigos, que o salto de desenvolvimento que o Nicolas deu neste último mês não foi um mero saltinho…  na verdade ele não perderia pra nenhum salto olímpico recordista. Afinal, o Nicolas já não sofre mais com o refluxo, não mama mais de madrugada, dorme a noite toda, come de tudo (não muito, mas é sem amassar), aprendeu a pegar no sono sozinho pras sonecas (tanto que já dorme em qualquer lugar!), calça seus sapatinhos com alegria, e… anda subindo em tudo e repetindo tudo o que a gente fala… um pe-ri-go!

Eu vivia imaginando como seria quando a gente tivesse que policiar tudo o que falássemos. Pois não é que num dia desses aí pra trás, enquanto eu lutava com a internet que havia travado pela vigésima vez, acabei proferindo um sonoro “QUE SACO!” pra logo em seguida escutar o Nic repetindo às risadas “saco! haha! saco! haha!”. Daí me dei que conta que o momento havia chegado e fiquei feliz por não ter dito algo pior. E se por um lado eu tô me controlando até mesmo pra falar ‘que saco’, o papai se derrete todo ao ouvir o Nic repetindo ‘saaacou?’, assim como ele, e ainda com direito à mesma entonação. Tá todo bobo… :-)

Outra coisa bonitinha é que ele incorporou um ‘ai, ai’ no final de uma longa risada, assim como eu faço as vezes. E as outras palavras que ele anda falando agora são‘ávis’ (árvore), ‘desce’, ‘sobe’, ‘agui’ (água), ‘mais’, ‘papá’ (comida), ‘mamá’ (leitinho), ‘céça’ (licença), ‘bái’ (bye), ‘tái’ (tchau), ‘abe, secha’ (abre, fecha). Sem falar que ele inventou ‘diá’ pro movimento de bater as duas mãos juntas em alguma coisa, ‘duck’ pro prendedor de roupa e ‘zoey’ que até agora não sei o que é, mas ele fala o tempo todo.

E não satisfeito com a limitação de se mover somente no plano horizontal, Nicolas agora também conquistou o plano vertical (olha o SpiderNick aí!). Então é o dia todo, ele subindo, fuçando e descendo, e ainda por cima fala ‘sobe’ e ‘desce’ pra cada vez que ele sobe e desce. Ou seja, ele deve falar isso umas 1.567 vezes por dia.

Também já consegue quase imitar várias coreografias do videozinho preferido dele “It’s rhyme time” e ontem começou a fazer a daquela música “cabeça, ombro, joelho e pé, joelho e pé”… lindo demais… 

E assim ele passa o dia, todo feliz, ativo e super tagarela. Bom, feliz até o momento de escovar os dentes… ou se o papai chega do trabalho e não o pega no colo imediatamente… ou se eu sento no computador pra atualizar o blog, por exemplo. Sai de baixo, ele vira uma ferinha, e ainda vem e abre minha mão me entregando um brinquedo…  “larga isso aí e vem brincar comigo, né mamãe!”. Por isso mesmo, tô aqui aproveitando que ele tá dormindo pra contar as coisas novas que ele anda fazendo. Essas coisas que deixa o meu coração tão cheio de orgulho…


12 Comentários

11 meses nicolando

feliz

11 meses de vida, quase 6 dentinhos na boca e muito, muito cabelo!!!

Os dentinhos, ainda não querem saber muito de comer não, mas mordem que é uma beleza (e de preferência se for a mamãe aqui). Olha só a situação: se pego ele no colo, morde meu ombro, minhas bochechas, meu nariz (aaai!). Se sento no chão com ele, morde meu braço. Se sento no sofá e deixo ele no chão, ele fica em pé e morde minha perna. Se encolho as pernas encima do sofá, ele tenta morder meus pés! Não tem pra onde fugir!!! Tá um tubarãozinho!

 Mas quando não está com esse temperamento selvagem, manda beijinho molhado ou dá beijinho de foca. Pro de foca, eu falo: vem Nicolas, nariz com nariz. Ele fecha os olhinhos e aproxima seu rostinho bem devagarinho, encostando seu narizinho no meu e balançando de um lado pro outro. Eu me derreto!

Outro avanço é que agora, ao invés de olhar pra ponta do meu dedo, olha pra onde estou apontando. Ehhhh!

Também aprendeu o que é:

 “me dá”  – estende a mãozinha e me entrega o que for que ele estiver segurando. Mas… quer o objeto de volta imediatamente. :-)

“guarda” – já sabe guardar seus brinquedinhos na caixa e a cada um que coloca, dá uma risada, pra logo em seguida tirar tudo de novo…

“mamãe vai pegar” – é só eu falar isso que ele sai engatinhando feito um louco pra fugir de mim. De vez em quando pára pra ver se eu estou chegando perto (eu vou bem devagarinho) e quando me vê, dá gritinhos e sai engatinhando de novo. Lindo de-mais!

berço

Também entende o que é: abre, fecha, joga, caiu, senta. Incrível, pois no mês passado ele não entendia nada disso!

E já fala:

“Iú” – ursinho (e qualquer outro bicho de pelúcia)

“Beau” (como no francês, rs) – pra qualquer palavra que comece com ‘b’ (banana, banho, beijinho, boca)

“Gá” – água (mas ainda não pede, só repete quando eu falo a palavra)

E tá com mania de responder “é” sempre que estou conversando com ele, como que concordando… :-)

O video abaixo tem cerca de 1 min e 40 seg e finalmente mostra ele falando gó pra mamãe, papai e Nicolas, dando beijinho e fazendo algo que ele inventou recentemente: dando tapinha na bolinha e seguindo ela pela casa toda (tá incansável!).


3 Comentários

Primeira parte da viagem: Wave Rock e os cangurus brancos!

A viagem de férias foi ótima! 

Claro, uma loucura! Milhões de malas, com quase tudo só do Nicolas, roupinhas pra frio e calor, brinquedos, cadeirinha pra comer, papinhas, muita água e o trombolho do carrinho dele… Pensamos mil vezes antes de espremer tudo pra esse carrinho caber no carro, afinal ele tem um outro bem mais simples e leve, mas não reclina, nem protege bem do sol. Então levamos o trombolho mesmo e foi a melhor coisa que fizemos pois o Nic pode tirar as sonecas dele enquanto a gente passeava.

Nicolas dormindo enquanto a gente caminhava ao redor do afloramento.

Nicolas dormindo e ainda protegido da garoa fina que caia...

Outra coisa que ajudou muito, foi levar as papinhas congeladas pra vários dias. Achei excelentes dicas aqui. E tivemos sorte que todos os hotéis ou pousadas que paramos tinha um frigobar, então não tivemos problema pra conservá-las.

E o toque final pra essa viagem tão longa, foi garantir a distração do Nicolas no carro. Além dos brinquedos e palhaçadas da mamãe, compramos um daqueles dvds de carro. E nem foi tão caro… Assim, nos momentos mais críticos que ele já estava bem entediado, colocamos seus videozinhos preferidos (né tias Marcela e Rosa?).

A viagem

Nosso destino principal era Margaret River, na costa oeste da Austrália. Mas como são quase 900km até lá, achamos que seria tempo demais pro Nicolas ficar no carro em plena fase de engatinhar. Assim, quebramos a viagem e dormimos a primeira noite em Hyden, onde paramos pra ver a Wave Rock.

mapa

No total foram quase 2300km percorridos.

A Wave Rock é um granito erodido em forma de onda. Super cool! Além dessa onda gigantesca, também tinha o Hippo’s Yawn, que é o bocejo do hipopótamo. Tudo formas criadas pela natureza.

Wave Rock
Wave Rock
Bocejo do hipopótamo

Bocejo do hipopótamo

Bom, tudo isso já tinha impressionado a gente bastante. Mas como o Nicolas ainda estava dormindo, continuamos caminhando e acabamos descobrindo um zoológico pequeninho e foi aí que quase caimos pra trás: o que era aquilo?  Gente, eu juro que não sabia que existia… Até pensei que estávamos diante de fantasmas de cangurus, mas eram cangurus albinos!!!! Fiquei pasma!

white kangaroo

kangaroos

Foi aí que o Nicolas acordou, ainda a tempo de ver os cangurus brancos. E acordou feliz da vida!

Nic mostrando os dois dentinhos de cima, separadinhos como os do pai!

Nic mostrando os dois dentinhos de cima, separadinhos como os do pai!

lu e nic
Ciclistas feitos de sucata. Cidade de Hyden.

Ciclistas feitos de sucata, em Hyden.

Margaret River fica pro proximo post!


2 Comentários

Passando aqui rapidinho

As últimas semanas por aqui não têm sido das mais fáceis! Mas continuamos sobrevivendo! :-)

Primeiro, foi uma gripaiada geral. Gripou primeiro o Nicolas, acho que pela mudança do clima. Sarou, e depois foi a vez de eu e o Rafa gripármos. Daí não deu em outra: o Nicolas pegou de novo. Bom, pelo menos sarou todo mundo junto.

Daí, há uns 3 dias atrás levei um mega susto. O Nicolas pegou rotavírus e vomitava jatos, como a Linda Blair do Exorcista. :-( Ficou super mal, mas pelo menos foi um dia só. Vomitou muito, ficou fraquinho, chororô. Ele não teve diarréia nem febre, acho que porque tomou as vacinas. Tambem não precisou tomar remédio nenhum, ficou mesmo só tomando soro caseiro (o que ele adorou!), sopinha de galinha e dormindo o dia inteiro.

E depois de tudo isso… aí vem outro dentinho… A gengiva de cima tá branquinha e parece que vem um só. Mas já tá dando pano pra manga e fazendo o Nicolas acordar de hora em hora durante a noite chorando. Mas vai passar… vai passar…

Então é isso. Estas são as últimas notícias diretamente da Nicolândia!


2 Comentários

A crise dos 6 meses – Parte III

Pico de crescimento* (Growth spurt em inglês)

Os picos de crescimento são fases mais aceleradas de crescimento, quando o bebê demanda mais mamadas que de costume.

Tô crescendo, mamãe! Preciso mamar!!!

E pra suprir suas necessidades, passa a acordar mais durante a noite só pra mamar…

E foi o que aconteceu ao Nicolas. Acordava umas mil vezes durante a noite morrendo de fome, embora já estivesse comendo sólidos.

O aumento da demanda durou umas duas semanas mais ou menos e foi coincidente com o nascimento dos dentes… um sufoco! Pois ao mesmo tempo que ele tinha fome, as gengivas doíam e ele tinha dificuldade de mamar.

Mas deu tudo certo no final!

IMG_5550

A título de informação, os picos de crescimento ocorrem periodicamente, e em geral por volta dos:

7-10 dias

2-3 semanas

4-6 semanas

3 meses

4 meses

6 meses

9 meses

E continuam após 1 ano.

Ou seja, por volta dos 9 meses, a gente já sabe… vem outro pico! Muito menos stress quando a gente pode prever, né? Apesar do dom dele de nos surpreender de vez em quando… É… melhor esperar e ver!  :-)

*Informações adaptadas da comunidade “Soluções” do Orkut

Continua…

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 526 outros seguidores