O lado cômico da maternidade


20 Comentários

Aprendendo a esquiar (e receita de pão)

Enquanto no Brasil é puro carnaval, calor e chuva, aqui ainda desenterramos um brinquedo ou outro do Nic que foi soterrado pela neve no quintal. Realmente difícil de acreditar que a primavera chega daqui a apenas duas semanas…

Mas pra aproveitar nosso primeiro inverno branco em família, eu e o Rafa resolvemos viver a experiência completa e nos alternar pra fazer um curso de esqui. Puxa vida, eu não esperava que fosse ser tão divertido e… difícil!!!

O curso foi o dia todo praticamente, somente eu e um outro rapaz, e a parte da manhã foi uma verdadeira catástrofe. Primeiro, custei a me acostumar às botas, super pesadas e duras, e que me faziam andar com a elegância de um Frankenstein sobre sapatos de lata – aqueles, que eu costumava fazer na infância. Um horror. Agora imagina eu andando desse jeito e ainda carregando o equipamento de esqui que teimava em se desmantelar todo no chão. Pois não tinha um que não olhasse pra mim e pensasse: caloura.

Chegando na montanha, prendemos os esquis na sola das botas e começamos praticando “passinhos de bebê”. Um passinho pra frente, outro pro lado, outro pro outro lado e virando bem devagar. Uau! Nada mal, eu estava arrasando! Daí o instrutor ensinou alguns truques pra se manter em pé sobre os esquis em movimento, descer em linha reta e diminuir a velocidade até parar. Tudo aparentemente muito simples… mas pro antipático do outro cara, que fazia tudo com perfeição, não pra mim. Eu achei suuuuper difícil!!! Primeiro, que cada perna queria ir pra um lado (oi?), segundo que o esqui escorrega muuuuuito e minha tendência era obviamente, seguir a lei da gravidade – descendo muito rápido (ai que medo!!!) e me esborrachando no final.

Fui pro almoço desolada.

Mas nada como uma tarde ensolarada depois de uma manhã frustrada. Desta vez fomos pra um ponto mais alto na montanha. Calcei os esquis, fui descendo determinada e foi como um milagre. Melhorei horrores e quase não caí. Várias vezes consegui descer com controle, fazer curvas suaves, parar sem cair. Fiquei com orgulho de mim mesma e não deixei de dar uma olhada daquelas pro meu colega sabe-tudo, do tipo – Viu, coleguinha??? Também posso. :)

Daí, na hora de ir embora, o instrutor, também bastante orgulhoso do meu desempenho, sugeriu que voltássemos pro teleférico esquiando. Claro! Sem problema! Bom, eu só não contava com uma ladeira um pouco íngreme demais pras minhas habilidades tão recém adquiridas. Ele me mostrou com classe como eu deveria fazer, cruzando na diagonal e chegando lá embaixo bem devagar. Mas infelizmente meus esquis não me obedeceram e eu desci ladeira abaixo numa velocidade incrível. Saí descendo e gritando pras pessoas no meu caminho “watch out!!!” (cuidado!!!), e depois usei todos os meus vastos conhecimentos pra desacelerar e parar. Um espetáculo! Até que me virei pro instrutor pra comemorar com um “Hooray!” e caí no chão, do nada. Realmente um grand finale. :)

* * *

Mas lindo mesmo foi ver a turma de crianças de 3 e 4 anos esquiando com seus esquis pequenininhos… Meu Deus, que coisa mais fofa… Eles esquiam tão direitinho, um atrás do outro e sem cair nem uma vez. Impressionante. Ano que vem o Nic já pode fazer e acho que ele vai adorar. Afinal, até eu, que não sou muito de esportes, gostei!

* * *

Pena que não tirei nenhuma foto de nada, pois não rolava de levar câmera. Fica pra uma próxima que eu for esquiar com o Rafa.

* * *

E por fim, vamos à prometida receita de pão que aprendemos a fazer na escolinha do Nicolas.

Ingredientes:

1 xícara de água morna (não quente)

1 colher sopa de fermento biológico seco

1 colher sopa de açúcar mascavo, mel ou maple syrup

2 xícaras de farinha integral pra pão

2 colheres sopa de azeite de oliva ou manteiga

1 pitada de sal

Preparo:

Misturar fermento, água, açúcar e 1/4 farinha. Deixar descansar por 20 a 60 minutos pra começar o processo de fermentação. Melhor ainda se colocar dentro do forno levemente aquecido.

Adicionar então o azeite, o sal e mexer. Colocar a farinha aos poucos, sem deixar ficar muito seco e amassar com as mãos por pelo menos 10 minutos. Acrescentar farinha sempre que precisar. Essa é a hora perfeita pra envolver as crianças da casa pra ajudar, e criar várias formas divertidas.

Depois, coloque tudo numa forma untada, tampe com um pano e deixe descansar por 10 a 20 minutos. Leve ao forno médio por 15-20 minutos (pães pequenos) ou até 40 minutos se é um pão maior.

O resultado é um pão simples, saudável e saboroso. Melhor se consumido ainda quente com manteiga e chá de ervas.

Enjoy!

* * *

E feliz dia das mulheres pra nós!!!


11 Comentários

Getting *almost* settled

Então, mudamos de novo. Que vida itinerante-louca essa, hein gente?

Mas isso, é porque a gente estava num apartamento bem temporário mesmo, só o tempo necessário da gente achar um outro um pouquiiiiinho menos temporário… Daí, quem sabe daqui alguns meses eu não volto contando que encontramos um lugar mais permanente pra morar? ;-) Tomara!

Vista da janela do primeiro apartamento

 

Pelo menos o apartamento que estávamos ficando já era todo mobiliado.  Uma beleza, tirando que tinha aquele estilo todo modernete-cheio-de-quinas-e-vidro-totalmente-anti-crianças. Já esse aqui não, tem que comprar tudo. Ou quase tudo. A boa surpresa foi saber que aqui no Canadá a maioria dos apartamentos pra alugar já veem com geladeira, fogão, microondas, máquina de lavar, secar e até de lavadora de louça. Uma mão na roda pra gente que só despachou algumas poucas coisas da Austrália, mas nenhum eletrodoméstico. (Leia mais nos posts idos aqui e aqui)

Mas de qualquer forma faltava o resto da mobília. Assim que, pela quarta vez mudando em 5 anos de casados, lá fomos nós comprar tudo de novo! Aliás, fomos não, temos ido – porque decidimos dividir o programa comprístico em doses bem homeopáticas. Claro, com criança não dá pra passar mais que duas horas seguidas numa loja.

Imagina que nessa que fomos ainda tinha uma creche com playground. Coisa rara… Mas, com um aviso de todo tamanho na porta: LOTADO.

Assim, que lá fomos nós, pra difícil arte de fazer compras com  uma criança, e evitar que suas mãozinhas ágeis alcancem tudo o que quebra ou é cortante e ao mesmo tempo que consideramos com cuidado a nossa compra. Será que tem perigo dessa estante cair se quando ele subir nela? E o material desse sofá, será fácil de limpar se quando cair alguma coisa manchante nele? Será que compramos essa panela de teflon* que é fácil de lavar mas solta substâncias não bem vindas, ou aquela de aço super cara, não tão fácil de lavar, mas que não interage com a comida?

E antes de qualquer decisão ter sido feita, a cria, que há muito tempo minhocou, minhocou até o pai descê-la do carrinho, já percorreu a loja toda, cansou e tá pedindo pra ir embora “Mami, papi, vam boia!”.

Então não teve mesmo outra alternativa senão comprar tudo aos poucos. Um dia o colchão, pois ninguém aqui quer dormir no chão. Depois os itens de cozinha, porque alguém há de cozinhar. Depois adquirir internet, pois alguém há de blogar e skypar. E por fim, a televisão, porque ninguém quer ficar de fora da Copa!

E pra completar, na semana passada chegaram as coisas vindas do além-mar e a casa que estava bem vazia, de repente ficou lotada de caixas, pelas quais o Nicolas entrava em uma e saia em outra, como mágica. Parece divertido, né? Mas não! Era um verdadeiro caos – pelo menos pra mim.

E se até eu fiquei feliz em ver meus sapatos, livros e álbuns de fotos de novo, imagina o Nicolas, ao ver os brinquedos com os quais não brincava há mais de três meses?

Bacana demais.

Pelo menos um ponto positivo das mudanças de longas distâncias!

* * *

E como fiquei devendo, aí vão algumas fotos do aniversário do Rafa, que aconteceu há séculos atrás. E pra comemorar, fiz sua torta preferida de amendoim, a qual deve ser também a mais calórica do mundo. Coisa pra se comer a cada 5 anos.

Obrigada à eficiente conexão Fabiana-Gabriela pra me mandar a receita!

Ah! E pra quem se interessar, a receita é a seguinte:

Ingredientes: um pacote de amendoim torrado e moído de 500gr – creme de leite -leite condensado – 2 ou 3 pacotes de biscoito maizena -açúcar e leite. Como fazer: Molhe os biscoitos no leite morno até amolecer um pouco,forre o pirex, faça um creme com o amendoim torrado, creme de leite, açúcar a gosto e amoleça com leite e forre as bolachas, faça a mesma coisa até o fim do pirex e a última camada coloque o leite condensado cozido e enfeite (cozinhe o leite condensado em panela de pressão por 40 min).

Eu falei que era uma bomba calórica…

* Atualização: confirmando o que eu já suspeitava, de acordo com minha querida cunhada nutricionista, devemos dar preferência às panelas de aço inox, cobre ou vidro, pois as de teflon são realmente tóxicas. Coisa boa é ter gente na familia que entende desses assuntos, né? :-)

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 532 outros seguidores