O lado cômico da maternidade


23 Comentários

E os adesivos vão para…

NICOLAS, POR MELHOR PROTAGONISTA MIRIM EM “A EMANCIPAÇÃO”

Sinopse: Após 2 anos e 4 meses dormindo com os pais, o menino Nic (Nicolas Gradim) decide que é chegada a hora de se emancipar. Numa noite fria e estrelada, vai pro seu quarto, vira pra sua mãe (Luciana Azevedo) e diz algo como “daqui eu não saio, daqui ninguém me tira”, sobe na cama, pede pra ela ler uma meia dúzia de estorias e ao pai (Rafael Gradim), pra tocar algumas músicas no violão. Mas Nic não vai dormir imediatamente, e o filme garante boas risadas com os diálogos entre ele e seu cachorro de pelúcia Pelucrécio, até que o menino capota de sono. A partir daí a trama se desenvolve bem rapidamente, com o menino dormindo a noite toda – sozinho, com a luz apagada, numa cama sem laterais, tudo totalmente sem precedentes – e acordando feliz e sorridente no dia seguinte. Realmente, uma divertida história de superação e cumplicidade, que vai trazer muita esperança para todas as mães que assistirem.

Genero: Família, comédia, fantasia e aventura

Outras nominações: Melhor Roteiro Original, Melhor Atriz Coadjuvante  (Luciana Azevedo), Melhor Ator coadjuvante (Pelucrécio), Melhor Trilha Sonora (Rafael Gradim)

Outras premiações: O travesseiro de Ouro de melhor ator mirim para Nicolas.


(Nicolas, fotografado pela mamarazzi na manhã da premiação ao lado do seu adesivo com dedicatória de sua mãe – a de verdade)

___________________________________________________________

SEIS ANOS BEM CASADOS, NAS CATEGORIAS DE MELHOR FILME, ROTEIRO, DIREÇÃO E PRODUÇÃO

Sinopse: Um jovem casal é inesperadamente atacado por um ser horrendo e tenebroso no dia de seu casamento. Mas o que poderia ser o presságio para uma união cheia de surpresas, tornou-se somente um dos motivos pra muitas risadas depois. O filme é leve, recheado de histórias engraçadas, viagens pelo mundo e muitas trapalhadas do casal com seu primeiro filho. Uma história de amor, coragem e aventuras, que certamente vai leva-lo do riso às lágrimas.

Gênero: Comédia-romântica-cult com uma pitada de suspense

Atores protagonistas: Luciana Azevedo e Rafael Gradim

(casamento de Lu e Rafa há exatamente 6 anos atrás)

___________________________________________________________

A GRANDE EXPEDIÇÃO, NA CATEGORIA MELHOR FOTOGRAFIA

Sinopse: Uma familia brasileira se muda para uma cidadezinha no meio das montanhas do Canada em pleno inverno. Após vários dias de neve e chuva com temperaturas muito abaixo do humanamente tolerável, finalmente criam coragem pra explorarem à pé a região onde moram. E qual não é a surpresa deles quando após apenas quinze minutos de caminhada descobrem um refúgio de paz, tranquilidade e belezas naturais inamagináveis – e se sentem mais unidos e felizes que nunca. Um filme pra todas as idades.

Gênero: Aventura, familia

*
*
*
*
Todos em breve, num cinema bem pertinho de você! :)


13 Comentários

Como derreter o coração de uma mulher

O que fazer para um homem conseguir provocar lágrimas de emoção em quatro mulheres que mal se conhecem e conversam despretenciosamente sobre o clima na recepção do prédio? (Ok, vamos considerar que nenhuma delas esteja grávida ou de tpm, tá? Senão seria moleza demais…).

Opção 1 – Recite um poema expressando admiração à todas as mães do planeta e diga que é da sua autoria.

Opção 2 – Cante “My heart will go on” da Celine Dion com a mão no peito e os olhos fechados. Se elas forem todas canadenses será tiro e queda, se não, pelo  menos vão chorar de tanto rir.

Opção 3 – Viaje a trabalho e envie flores vermelhas e chocolate pra uma delas (atenção: sua esposa), sem  nenhuma ocasião especial, e com um cartão que diz “Mesmo longe meu coração está sempre com você”. E acredite, a choradeira vai ser geral…

Obrigada meu amor!!!! Foi uma surpresa maravilhosa!

Meu coração (e o do Nic) também está sempre com você.

Te amamos muito…

PS: Agora toda vez que encontro essas mulheres pelo prédio, elas tombam um pouco a cabeça e soltam um “Ahhhhh! Você é realmente uma mulher de sorte” *suspiros*. Depois vão contar pra alguém a romântica cena que presenciaram na recepção no dia anterior… :-)


14 Comentários

A incrível (e hereditária) sutileza masculina

O Rafa, meu querido marido, é conhecido, entre outras coisas, por sua até-bem-intencionada-porém-brutal honestidade ao emitir  sua opinião, principalmente no que tange a visuais femininos.

Não que ele seja um expert no assunto, não mesmo. Mas sabe como nós mulheres podemos ser susceptíveis a opiniões alheias sobre nossa aparência, né?

A mãe do Rafa e suas três irmãs devem conhecer bem esse lado dele. Afinal, qual de nós já não demorou meses escolhendo cuidadosamente aquele vestido pro evento do ano, mas sem querer optar por aquele-modelito-básico-que-não-tem-erro, resolve ousar só um pouquinho e escolher um vestido exuberante e vaporoso, algo um pouco diferente do seu estilo usual?

O dia chega, ela se veste e se sente outra mulher, deslumbrante… Ela tem quase certeza que todo mundo vai aprovar a escolha do vestido, que realça sua beleza de forma especial. Dá o último retoque na maquiagem, calça aquela sandália que só reforça a imagem de “essa-sabe-o-que-está-fazendo”, pega sua bolsa e sai toda confiante e poderosa do quarto, quando dá de cara com o Rafa.

Esse, dá um pulo pra trás ao vê-la e sem pensar duas vezes, solta:

- Credo!!! – sua interjeição clássica – Tem certeza que você vai com esse vestido?

- Quê? Qual o problema? – pergunta ela, mesmo sem ter certeza de que quer mesmo ouvir a resposta.

- Essa cor é muuuuuito feia, muito arregalada…

- Que isso, Rafael, essa cor é fashion! É a cor desse verão, todo mundo tá usando. Você não sabe de nada, tá? – reage ela rapidamente tentando se desvencilhar dele e ir logo pro carro enquanto sua auto-confiança ainda permanece intacta.

- Fashion… Pois esse negócio de fashion tá é por fora, tem que usar o que combina com você! – insiste ele mesmo com o risco de levar uma sapatada na cabeça – E olha essa gola estranha! Credo! E esse babado aqui? Melhor se você tivesse arrancado ele fora…

Pronto, a pulga que já estava atrás da orelha agora virou um hipopótamo.

- Porque? Tá feio? Mas esse babado é lindo. E a vendedora me garantiu que ficou ótimo em mim.

- Pois eu só tô querendo te ajudar. Se não fosse esse babado estranho e essa cor… aliás, que cor que é essa? é amarelo, verde? sei lá, sou daltônico mesmo… Mas até que esse vestido nem seria tão feio… Mas vamos assim mesmo que a gente já tá atrasado. Olha, pelo menos seu cabelo tá bonito desse jeito!

Pois nesse ponto, a pobre vítima já não escuta mais nada. Com seu rímel borrado pelas lágrimas que teimam em cair, com ódio profundo daquela criatura que já tinha conseguido arruinar a sua tão aguardada festa, agora ela tenta, sem a mínima esperança,  encontrar um outro vestido de última hora, que lhe faça sentir tão linda e especial como há poucos minutos atrás tinha ousado se sentir.

* * *

Cruel, não é? Pois saiba que pode ser pior.

Imagina agora que ao invés de ousar com babados e cores vivas, a mesma mulher resolva seguir a linha tradicional e por aquele vestido classudo maravilhoso pro casamento da melhor amiga.

O Rafa a olha de cima a baixo, pede pra ela dar uma voltinha e diz:

- Esse sim, é um vestido bem bonito…

Ela sorri com deleite.

- … pena que não fica bem em você – estraçalha ele, ainda que querendo ajudar, acredite.

Pois pronto. Não só acabou com a saída, como jogou a auto-estima da pobre vitima na lama pra sempre.

- Você tá querendo dizer que o vestido é bonito mas meu corpo não ajuda? – tenta clarificar ela, ainda que esperando bem no  íntimo uma retificação salvadora do tipo “não foi bem isso que eu quis dizer, agora tô vendo aqui que esse vestido não tem mesmo um bom corte na cintura”.

Mas a sensibilidade não toca seu coração e ele ainda lava as mãos soltando sua frase clássica:

- Só tava querendo ajudar, mas se você que ir vestida assim, então vamos logo que tá na hora.

* * *

Agora, não pense que ele ataca somente as mulheres próximas com suas críticas não. Sobra pra qualquer uma, até mesmo no momento mais desumano de todos: durante o próprio evento.

Foi o que aconteceu a uma amiga nossa, durante sua formatura de faculdade. Pobre MT… nunca vou esquecer uma figura tão radiante e feliz se esmorecendo daquela forma.

Ela estava linda, com sua delicadeza de sempre, em um vestido maravilhoso naquele corpinho de violão. O penteado, irretocável. Mas pecou, não ao carregar um pouco demais sua maquiagem, mas ao passar a menos de 5 metros de distância do Rafa com a maquiagem carregada.

- Lu e Rafa, que bom que vocês vieram!

- Parabéns pela formatura! Você está lindíssima! – digo eu.

- Parabéns! Que festa bacana essa! – diz o Rafa já dobrando um pouco os joelhos e analisando o rosto dela por um ângulo e luz melhores. Até que:

- Credo! – lasca ele –  o que que aconteceu com a sua cara? Tá meio… alaranjada… totalmente diferente do seu pescoço que tá… branco…

Nisso, o sorriso da nossa amiga murchou, ela pediu licença e desapareceu. Procuramos a pobrezinha por toda parte, mas nada. Durante a busca, encontramos a Carol, uma outra amiga pra quem contei a história.

Ela se recusava a acreditar que poderia existir, no mundo todo, alguém tão insensível assim como o Rafa. Olhou nos olhos dele e falou brava:

- Rafael, coitada dessa menina! Sabe onde ela deve estar agora? Chorando lá atrás sozinha na beira da piscina. E sabe porque?  Por insensibilidade sua! Deixa eu te falar uma coisa. Sempre que você ver uma mulher, mesmo que o batom dela esteja todo borrado assim ó (ela faz o movimento) ao redor da boca, e ainda que esteja parecendo  o Bozo, põe na sua cabeça que ela está linda, maravilhosa, perfeita! Principalmente se é o dia da formatura dela, entendeu?

- Mas a cara dela estava esquisita demais. Eu falei porque de repente ela podia dar uma lavadinha no rosto…

- Entendeu, Rafael?

- Entendi.

* * *

Entendeu nada, porque ele continuou fazendo isso por um bom tempo ainda. Mas já parou, finalmente, depois da gente muito conversar sobre aquele negócio do Bozo e tal. (Aliás, ele tá aqui agora do meu lado pra ter certeza de eu tô escrevendo que ele realmente já parou com isso.) Parou mesmo, viu gente!!! (Agora só usa sua “sutileza” comigo.) Pô Rafa, é verdade…

* * *

Mas então, depois de eu te contar tudo isso, você veja bem a minha sorte.

Tava eu ontem, me arrumando pra sair com o Nicolas e visto uma calça jeans com uma bata que eu amo. Nicolas, agora com quase 20 meses, tá com a mania de antes da gente sair fazer um checagem geral. Ele olha pra mim de baixo pra cima e fala apontando: sapato, calça, busa, bolsa, cabeio.

Pois ni que eu visto esta bata, ele vem e me fala:

- Sapato, calça, sacoia, bolsa, cabeio.

Sim, você não se enganou. O Nicolas chamou minha linda e amada bata de SACOLA.

::

Eu tô feita ou não tô?

* * *

Em tempo: Pra não ser injusta com o Rafa, devo adicionar que essa sinceridade toda dele vem de uma virtude muito maior que tudo isso: sua transparência e real honestidade como pessoa. Eu contei essas historias sobre ele porque o Nic, com sua espetacular lógica infantil, me fez lembrar muito delas (e rir demais). Mas não posso deixar de completar que o Rafa tem a incrivel habilidade de ser brutalmente “sutil” nesses detalhes, mas ainda muito, muito doce em todos os outros aspectos da vida.



13 Comentários

I do… again

Há 5 anos atrás…

Éramos dois. Entrando juntos de mãos dadas ao som de Paula e Bebeto, num ambiente com flores brancas e velas pra declarármos nosso amor diante de amigos e familiares. Os dois daquela época eram felizes, cheios de amor e sonhos. Com muita energia, muitos planos, infinitas possibilidades. Casa sempre arrumada, idas frequentes ao cinema, restaurantes, festas e muitas viagens. Os dois daquela época podiam dormir dozes horas toda noite, se assim quisessem, e acordavam ao som da música preferida. E tinham a cama toda pra eles.

Hoje…

Somos dois mais um. Se eu fosse me casar de novo (o que as vezes me dá vontade), me casaria com o mesmo homem e outra vez entraria com ele de mãos dadas. Talvez convidasse menos gente, mas ainda teriam flores e velas. Estes dois de hoje, quase não saem à noite, não vão mais ao cinema, só vão aos restaurantes de dia e em geral saem às pressas, mas nunca deixam de viajar. A casa vive bagunçada, mas é cheia de vida. Ficam extremamente agradecidos se dormem oito horas à noite, sem jamais esperarem mais que isso. Se acordam ao som de choro, sabem que tem alguém precisando deles. Se acordam com aquela vozinha mais doce do mundo falando ‘Mami! Papi!’ sabem que é hora de abrir espaço na cama e aconchegar os três juntos. E reconhecem que não tem coisa melhor que isso. Estes dois de hoje, talvez não tenham tanta energia, mas continuam com tantos ou mais planos que antes. E só agora sabem o que é amor de verdade. Esses dois adoram falar das histórias que já viveram, dos tantos sonhos já realizados, de como cada dia da vida deles é uma surpresa e de dançar juntinhos ao som daquela música que tanto lembra a eles como tudo começou… 

 “(…) Eles se amam de qualquer maneira, vera

Eles se amam e pra vida inteira, vera

Qualquer maneira de amor vale o canto

Qualquer maneira me vale cantar

Qualquer maneira de amor vale aquela

Qualquer maneira de amor va…” Click!

- “Niiiiiiic!!!!!”


4 Comentários

Oito anos de Lu&Rafa!

Hoje é um dia mais que especial… completamos 8 anos de Rafa e Lu (ou Trull e Lu, Gradim e Lu, Rafa y Luci, Raf and Lucy).

São 8 anos dividindo a caminhada, somando sonhos e esforços e compartilhando conquistas… E quantas conquistas!!!

São 8 anos de um amor tão grande que transbordou e gerou mais um pra nos acompanhar, e agora somos mais completos que nunca.

E com a chegada do Nicolas, o foco muda. Tudo gira em torno dele, dos horários dele, de como ele está se sentindo. Se está doidói ou triste, temos que dar atenção, cuidar. Se está bem e feliz, queremos estar com ele, brincar, rir junto.

Assim, a situação nos exige ser mais criativos que nunca pra que as declarações e o romantismo entre o casal não fiquem abafados em meio a fraldas,  papinhas, mamadas, brinquedos, choros e bilú-bilús, ou simplesmente adiados pelo cansaço.

Mesmo que venham em forma mais disfarçada…

     – Olha como a mamãe está bonita!

     – O papai é maravilhoso, não é? Tão carinhoso…

 Ou nas entrelinhas do dia-a-dia…

     – Deixa que eu cuido dele. Vai descansar.

     – Tem comidinha quentinha na cozinha.

     – Quer que eu te prepare um chazinho?

     – Deixa que eu vou lá e faço as compras.

     – Me dá ele aqui. Seu braço já deve estar doendo.

Não importa como nos expressemos. O importante é que o amor, carinho e respeito mútuo nunca deixe de existir no dia-a-dia.

Assim, aproveito a oportunidade pra garantir que nada fique nas entrelinhas no dia de hoje…

Rafa, saiba que meu amor e admiração por você nunca param de crescer… Com você ao meu lado, sou FELIZ sempre…

Obrigada pelos melhores 8 anos da minha vida…

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 529 outros seguidores