O lado cômico da maternidade

Como fazer a gente sair todo final de semana…

8 Comentários

Num belo dia, lá estava eu, varrendo a entrada da frente da nossa casa, imersa em meus pensamentos, quando nada mais que de repente… surgiu este homem, com uma bíblia debaixo do braço.

Perguntou se podia levar uma palavrinha comigo.

 – Sim, como não – respondi – mas não tenho muito tempo… tem um bebê lá dentro de casa esperando pra ser alimentado daqui a pouco.

 – Pode deixar, vai ser rapidinho.

Falou por 25 minutos seguidos – quase sem respirar – me mostrando passagens da bíblia e de um outro livrinho da capa amarela. Escutei, respondi algumas perguntas que ele me fez, até que o Nicolas chorou lá dentro. Fiz menção de entrar e lancei um olhar de “que pena, mas vamos ter que terminar por aqui”, o que por certo ele não captou, pois me disse:

 – Vai lá atendê-lo que eu espero.

Levei o Nicolas lá pra fora. O homem continuou falando e lendo passagens da bíblia.

[Eu gosto de pensar e discutir sobre as questoes existencialistas, sobre espiritualidade, mas eu já sabia como aquilo tudo iria terminar: ele querendo me convencer a entrar pro grupo de estudos e eventualmente me tornar uma Testemunha de Jeová. Eu não tenho nada contra quem escolhe a religião, mas simplesmente não é pra mim.]

Assim, ele falou até um ponto que não deu mais, eu tinha mesmo que entrar. Ele ainda pediu pra ler uma última passagem, mas vendo que o Nicolas estava ficando inquieto me perguntou se eu tinha uma bíblia.

Respondi que aqui na Australia não.

– Pois então eu gostaria muito de te trazer uma. Assim você pode ler quando tiver interesse.

 – Ótimo, obrigada. Então até qualquer dia! E fui entrando.

Foi quando escutei: – Quando?

Sorry? – perguntei

– Quando posso trazer a bíblia? Falou tirando uma agenda do bolso.

“Tô lascada… ele está levando isso realmente a sério” pensei. E acabei combinando um dia na outra semana.

Pois esse dia, coincidiu com um dia que o Rafa estava em casa. Tudo o que ele falou pra mim, ele repetiu pro Rafa, que acabou por perceber que na verdade ele sempre quis ler a bíblia, e aquele talvez seria um bom momento de começar. Mas deixou claro que ele gostaria de fazer isso por conta própria, ao invés de ter o tal homem como tutor (como este sugeriu), o que fatalmente influenciaria sua interpretação.

No entanto, como era de se esperar, o homem não deu ouvidos e começou a fazer visitas supresas aos domingos a cada uma ou duas semanas, trazendo também sua mulher. Queriam saber como o Rafa ia com sua leitura e ofereceram ajuda pra entender as passagens da bíblia. O Rafa insistiu que gostaria de continuar lendo sozinho, mas eles continuaram a aparecer, sempre sem aviso prévio, e ficavam por mais de 1 hora.

Como eles são pessoas bacanas, a situação ficou realmente delicada. Começamos a pensar que deveríamos dizer claramente que não temos nenhum interesse em fazer parte da religião deles. Mas temos medo de causar controvérsia sobre as nossas razões e fazer com que eles tomem isso como um desafio.

Assim, enquanto a gente pensa em uma forma educada, porém efetiva de falar o que pensamos, temos saído todos os domingos (pra quem conhece bem a gente sabe como gostamos de ficar em casa assistindo um filminho)!

E tem sido ótimo. Estamos conhecendo melhor a cidade onde moramos, aproveitando mais os fins de semana e o clima perfeito… Além de que tem feito muito bem pro Nicolas que tá na idade perfeita de passear e ver gente diferente.

Então é isso… De agora em diante estarei postando fotos dos lugares onde a gente tem ido… Vocês serão testemunhas de que estamos nos divertindo!

Ah! E aceitamos sugestões de como sair desta situação! Você já passou por isso antes?

* * *

Pra acompanhar onde temos ido e a sequência da história, leia também:  Hammond ParkHospital onde o Nicolas nasceuSuper PitParquinhos do bairro; Centro de Kalgoorlie; Kambalda e os bonecos macabros (by Rafa); Museu de mineração; Quando eu achei que não dava pra piorar; O confronto… final?

Anúncios

8 pensamentos sobre “Como fazer a gente sair todo final de semana…

  1. Pingback: Conhecendo Kalgoorlie – Super Pit « Nicolando por aí

  2. HAHAHAHHAHAHHAHAHAHHAH!!!!

    ái! cê conta causos muito bem!
    será que é parente do tio matheus?!?!

    eu fiquei imaginando oces saindo de casa na miúda, olhando se não vem ninguem com bíblias embaixo do braço! HAHAHAHHAHA
    ái que história ótima!

  3. To praticando! To praticando! Um dia eu terei pelo menos metade da habilidade do tio Mateus pra contar historias!

    E vc captou direitinho o espírito… Realmente a gente sai bem na miuda mesmo!!!! hahahaha Vamos ao parquinho olhando pros lados, vigiando qualquer carro sedan cinza claro (o carro deles) que passa por perto! Ta muito engraçado…

  4. Pingback: Conhecendo Kalgoorlie – Hammond Park « Nicolando por aí

  5. Pingback: Conhecendo Kalgoorlie – Hospital que o Nic nasceu « Nicolando por aí

  6. Pingback: Conhecendo Kalgoorlie – Parquinhos de bairro « Nicolando por aí

  7. Pingback: Conhecendo Kalgoorlie (Centro) e… o encontro com o inesperado! « Nicolando por aí

  8. Pingback: Quando eu achei que não dava pra piorar « Nicolando por aí

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s