O lado cômico da maternidade

Pitfalls (ou Cuidado com as armadilhas!)

5 Comentários

Viajar com criança pequena e se divertir é totalmente possível, mas não dá pra negar: as opções ficam mesmo mais limitadas.

Imagina que vocês chegam numa cidadezinha linda de morrer, por volta da hora do almoço depois de várias horas de viagem, com o estômago pregado de tão vazio, e resolvem fazer um passeio à pé pelas ruas pra conhecer as opções. Saem os dois serelepes, de mãos dadas e empurrando juntos o carrinho com o bebê. Ficam maravilhados ao descobrirem que a cidade oferece a melhor gastronomia da região e que existem inúmeros restaurantes, dos pequenos e aconchegantes aos grandes e chicosos. Mas que por cargas d’água, nenhum deles abre pro almoço.

Sentam então num café e pedem os usuais sanduiche e cappuccino pra almoçar, mas decidem que naquele dia vocês TÊM que se dar a chance de uma comida de verdade e quem sabe até arriscar um restaurante mais romântico.

Das melhores opções, escolhem o restaurante que abre mais cedo. Se sentam na mesa exatamente às 6 horas. A criança se senta em sua usual cadeirinha portátil, a qual ela adora, e brinca feliz da vida com seus brinquedinhos e vocês pedem aquele prato que andam sonhando em comer faz tempo.

A cena é perfeita, só que termina dez minutos depois com a criança jogando comida no chão, gritando e esperneando pois quer andar pelo restaurante, o pai engolindo a comida rapidamente e você pedindo pra embalar a sua pra levar.

** Atualização: Daí você tenta de novo uma semana depois, a criança se comporta maravilhosamente bem, todos têm uma excelente refeição e saem felizes justo em tempo da criança ir pra cama dormir…

* * *

Ou ao invés do restaurante, você poderia estar doida pra passar uma noite descontraida num dos pub da cidade e ficar até mais tarde tomando uns drinks com seu marido. Ou quem sabe, você tenha um lado aventureiro e sonha mesmo é em fazer um rafting, uma caminhada punk ou quem sabe pular de bungee jumping ou pára-quedas. Ou então fazer uma excursão num barco veloz e conhecer aquela ilha maravilhosa cheia de animais exóticos.

Mas como você é uma mãe consciente, sabe que não dá e deixa pra fazer  programas como esses quando seu filho tenha idade suficiente pra acompanhá-los, ou pelo menos, paciência e independência pra esperá-los lá embaixo enquanto você pula de pára-quedas.

– Ishhh… acho que mamãe vai cair lá no meio daquelas moitas de novo…

* * *

Ou então, você faz como a gente e reveza com seu marido.

– Não meu bem, não dá pra levar o Nicolas nessa excursão, num barco com essa velocidade e por tantas horas. De jeito nenhum. Faz o seguinte, você vai e eu fico em Hobart com ele.

E foi o que aconteceu. Ele foi…. e levou a nossa única câmera. Olha só algumas fotos.

Bruney Island

* * *

Daí, no dia seguinte, voltamos aos programas de família, e subimos o Mount Wellington de carro. O pico é todo neblinado no topo, mas o visu da cidade lá embaixo é lindo. E no que o Rafa desce do carro pra tirar uma foto rapidinho e chega bem na beradinha do precipício, lembro na hora de uma história que aconteceu em 2001 lá em Santa Catarina.

Estávamos eu, Rafa, Gamis e Aline, descendo de carro aquela estrada super sinuosa na Serra do Rio do Rastro. Estava tudo neblinado, então paramos num mirante pra esperar a neblina passar e tentar tirar umas fotos. Nessa hora, pára um outro carro e desce uma mãe com um bebezinho, e dois homens: um claramente o marido dela e o outro, a julgar pela fisionomia, irmão dele.

A gente tá lá conversando animadamente, quando a mulher ME entrega o bebê de repente e sai correndo e gritando “Ai, meu Deus, o pai do meu filho caiu no precipício!”. A gente olhou, pra ver qual dos dois estava faltando e pra nossa grande surpresa era o outro. Não o marido.

Ao escutar aquelas palavras, obviamente reveladas pela primeira vez, o marido fica pálido e se apoia no carro em visível estado de choque.

Eu, que aqui devo confessar que havia me esquecido que na verdade, ao contrário do que relatei antes (aqui e aqui), já tincha SIM pegado num bebê antes de ter o Nicolas, não sabia o que fazer com aquele bebezinho tão frágil. A Aline só sabia fazer cara feia pra ele e não me ajudava em nada.

* * *

E hoje eu fico pensando, que aquela mulher tenha talvez revelado seu grande segredo por ter sido um momento de emoção extrema…

OU ENTÃO…, eles talvez sejam desses casais que como a gente, concordam em se dividir e se divertir separadamente; mas ele, ao invés de ser sábio e precavido, e escolher um programa inofensivo como uma excursão de barco, talvez tenha cometido o terrível engano de escolher uns drinks num barzinho bacanésimo, e tenha realmente ido… sem ela.

E fato é, que com mulher não se brinca, principalmente se esta mulher já é mãe (pior ainda se estiver amamentando e sentindo aquelas explosões hormonais!..). Pois em estado de fúria elas dizem o que vem na cabeça…

* * *

Ah! E o homem que escorregou e caiu, na verdade conseguiu se segurar num arbusto da encosta e com um pouco de dificuldade subiu alguns minutos depois e só com alguns pequenos arranhões…

* * *

E aí vão algumas fotos de Hobart, capital da Tasmânia (lembra do Demônio da Tasmânia, pois é… é daqui). A gente ficou em Salamanca, um bairro que me fazia pensar na Espanha o tempo todo, apesar de nunca ter ido lá. Coisas de uma mente imaginativa…

Salamanca

E pela primeira vez, tiramos fotos de uma paisagem noturna, cuja saída não foi espetacular mas também não foi um total fracasso… 🙂

Nic em seu traje de saida noturna e fria

_______________

Posts relacionados:

Watch out, familia viajando!

O sapo não lava o pé

Conhecendo o centro de Kalgoorlie

Anúncios

5 pensamentos sobre “Pitfalls (ou Cuidado com as armadilhas!)

  1. Lu! Que viagem maravilhosa!!! E que post super bom! Adorei…

  2. Deu algum problema aqui e cortou meu comentario…

    Anyway, eu estava falando que tambem raramente jantamos fora com o Francisco. Nao eh bem a onda deles esse negocio de ficar sentadinho nessa idade, compreensivel… Mas ri um montao da historia em SC… Meu Deus!!! Realmente pode ser que ela estava super brava com o marido, mas se for verdade… eh bizarro! rsrsrs

    Beijos, Lu querida!

  3. – Ishhh… acho que mamãe vai cair lá no meio daquelas moitas de novo…

    kkkkkkkkkkk

    pois se bobear, nao vai demorar muito ele vai estar pulando de paraquedas com vcs!!!!

    Otimo post! Linda Salamanca!

  4. Ah! E lindos os trajes noturnos dele… tao fofinho!!!!

  5. Pingback: Watch out, família viajando! « Nicolando por aí

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s