O lado cômico da maternidade

O dia que eu descobri que tem coisa pior que ter feito book fotográfico

13 Comentários

Resumo do ultimo capítulo: após anos de terapia do espelho pra finalmente conseguir resgatar sua tão defasada auto-estima, Luciana vive um trágico e inesperado reencontro com seu passado Elke Swarovski. Baratinada, ela vai pra São Paulo com sua filha, afim de encontrar algumas amigas, dentre elas, aquela que teria o poder de ajudá-la a afugentar seus traumas e fazê-la acreditar que dias melhores estariam sim por vir. 

* * *

Ahhhh! Nada como uns dias só de meninas pela frente! Era tudo o que eu precisava após ter cutucado feridas tão profundas em minha alma… Também, com um panfleto cafona daqueles, como eu podia esperar um resultado decente?

Mas enfim.

No vôo pra São Paulo, enquanto Lily mascava os meus foninhos de ouvido e eu continuava sendo perseguida por aquela fatídica imagem que ricocheteava insanamente na minha cabeça sem um minuto de trégua, cheguei à conclusão que aquilo tinha que acabar!

Então repreendi a Lily e guardei meus fones.

Ufa, agora sim, eu podia pensar com mais clareza! Porque pra mim, não fazia sentido nenhum como uma pessoa inteligente, sensata e de cabelos já TÃO vastos, algum dia pode ter acreditado que fazer um corte selvagem abundantemente repicado mais uma ondulação permanente à base de amônia, pudesse ser uma boa ideia.

Será que eu não pensei que o volume dos meus cabelos excederia os limites de metro cúbido humanamente aceitáveis? ( ) sim (x) claramente não Será que eu não considerei a possibilidade de meus fios se danificarem para todo o sempre? ( ) sim (x) óbvio que não Ou será que eu não pensei em nada disso e tava era mesmo doida pra ter um visual despojado (pra época), calçar minhas polainas degradês super sexy (pra época) e dançar Girls just wanna have fun da Cyndi Lauper? (x) bem possível (x) sei não, pelo jeito tava mais pra Like a Virgin

Bom, cada um com suas escolhas, mas eu acho que tudo tem limite… E sinceramente? Não aguento essas pessoas que não veem as consequências dos seus atos.

– Não Lily, mamar agora não. Brinca com essas moedinhas, meu bem, mamãe precisa pensar mais.

* * *

Chego em São Paulo.

O apartamento era impecável. Tudo lindo, sofisticado, requintado, adornado e milimetricamente organizado. Nada de paredes riscadas com marcador permanente de várias cores, nem móveis decorados com adesivos do Mickey e Pato Donald; muito menos brinquedos obstruindo os caminhos. Abracei a Lily, fechei meus olhos e mentalizei: meu dia chegará, confiá-lo-ei.

Comigo estavam a Dani e a Clauo. A Dani, além de engraçada, mostrou ter habilidades automobilísticas tão extraordinárias, que conseguiu dirigir pelas ruas de Sampa com a Lily chorando de sono de um ponto ao outro – o equivalente a ter uma vuvuzela buzinando em cada ouvido por meia-hora, imagine. Um ás no volante.

Já a Clauo, é uma dessas pessoas tão legais e cativantes, que você tem vontade de abraçar e agradecer a ela por existir a cada cinco minutos. Só me controlei pra não deixá-la desconfortável. E pra não passar vergonha. E pra nao estragar a tal primeira impressão, que pelo que dizem, é a que fica. Então me contive.

A dona da casa, era minha querida amiga Dri. Linda, chique, divertida e PARA TUDO: Consultora de Estilo.

Destino, né gente?

Cooooooorre, que o antídoto ta chegando, Feitiço de Elke!

fotos1

* * *

Fragilizada, abalada, porém esperançosa, me deixei sentar na cadeira indicada. Com cara de quem sabia o que estava fazendo, ela veio com um pano cinza e enrolou na minha cabeça. Considerei aceitável. Pegou outro pano cinza, jogou sobre meus ombros, enrolou no meu dorso e deixou só meu rosto de fora. Tranquilo. Daí começou a colocar, tirar e agitar umas bandeiras coloridas nos lados do meu rosto. Nesse momento me perguntei se aquilo tudo seria realmente necessário.

– Isso tudo é realmente necessário, viu Lu!

Viu? Sabia!

Daí ela me explicou que aquilo era chamado “coloração”, uma técnica de vanguarda pra avaliar quais as cores combinavam comigo, quais me deixavam desenxabida. Então me disse que como sou pessoa de alto contraste e por minha paleta ser de cores mais frias e fortes, eu deveria fugir das combinações pastéis SEMPRE.

Nesse momento, lancei-lhe um olhar de “are you sure?” enquanto eu concluía o escaneamento mental de meu guarda-roupa. A 83% do processo o resultado era 60% bege, 30% marrom, 10% indefinido. Ou seja, toda uma vida de desenxabimento. Como lhidar com isso, gente? Mas daí, vibrei de alegria ao lembrar que eu tinha algumas blusinhas vermelhas e laranjas guardadas em algum lugar. Yay!

– Lu, evite também os vermelhos e laranjas, pois essas cores te apagam e acentuam mais suas olheiras.

Credo! Deus me livre de cor que acentua olheira nesse ponto da minha vida. Imediatamente mandei as blusinhas (que blusinhas?) direto pra minha lixeira mental.

Quando eu já perdia as esperanças de ser feliz de novo, ela veio me contar com entusiasmo sobre todos os acessórios que eu podia usar com as cores que não me favoreciam tanto. Falou das cores boas e das combinações interessantes que realçariam minha beleza interna e externa. Falou de texturas, padrões, auto-aceitação, gasto consciente e tanto mais.

Toda uma vida de alto astral e alto contraste pela frente, né gente?

Assim, meus olhos foram cintilando, meu coração palpitando e aos poucos fui sentindo que aquela velha imagem distorcida de mim mesma se desvanecia. (Tá, agora só faltava eu convencer minha mãe a tirar a tal foto da porta de sua geladeira. Mas sejamos graduais).

Daí a Dri tirou aquela panaiada cinza de cima de mim e Liloca, que aparentemente andava procurando por sua mãe fazia tempo, veio correndo enlouquecida pro meu lado com cara de cachorrinho órfão. Pego a minha pequena com animação, já vislumbrando o meu futuro fashion reformulado e sento ela no meu colo. Quando casualmente, eu olho pro joelho dela e ali vejo uma fralda.

Hm.

“O que essa fralda estaria fazendo na altura do joelho dessa criança?” – penso eu sem nem mesmo querer saber a resposta.

Conservo minha expressão tranquila e despreocupada, enquanto escuto sobre revigoração de guarda-roupa e degusto o delicioso bolo de limão feito pela Dri. Então respiro fundo (discretamente) e percebo um conhecido aroma adentrando minhas narinas. Sigo impassível.

A Dri continua me contando que o intuito de sua consultoria é formar consumidoras conscientes, que saibam reaproveitar suas roupas e comprar o estritamente necessário. Interessada em saber mais, mas com o dever de investigar o que acontecia nas imediações do meu colo, desvio o olhar para o meu vestido  – de tom quase pastel – e nele identifico um material – claramente de alto contraste.

PARA TUDO.

Aquilo estava realmente acontecendo?

Quando vislumbrei toda uma vida de alto contraste não era bem isso que eu tinha em mente. Já sem conseguir fingir, e com expressão de terror nos olhos, afasto o bumbum pelado da Lily do meu vestido.

E desfaleço.

* * *

Pois é, gente, taí uma história que eu queria MUITO poder dizer que aconteceu com uma amiga. Afinal, quem quer pra si uma história dessas, né? E olha que já comi cocô de galinha, encontrei com ginecologista em festa de aniversário, já joguei suco na minha comida por diversão, já quis ser o Mussum, já travei contato com meliante no Havaí e até fiz book fotográfico nos anos 80.

Mas foi nesse dia que eu me dei conta, que depois que a gente tem filho TODAS as outras historias da nossa vida nos parecem completamente obsoletas. Ensaio fotográfico nos Estúdios Sonora? Rá! Fichinha perto do que passei na casa da Dri.

Obrigada Lily, pois no final das contas, VOCÊ foi a responsável por quebrar o feitiço de Elke! E obrigada Dri, por manter a calma mesmo diante do que parecia pouco provável!

* * *

EPÍLOGO: Depois do incidente que mudou os rumos de sua auto-estima, Luciana passou uns dias na casa de sua querida amiga Eline de onde saiu ainda mais inspirada e conheceu a adorável irmã quase gêmea da Lily. Depois voltou pro Canadá onde continuou a consultoria de estilo pelo skype, se tornando a primeira cliente internacional da Trendy.

Hoje, ela vive feliz com ela mesma, (tenta) usar seu guarda-roupa a seu favor e sempre verifica duas vezes antes de colocar a Lily no seu colo.

IMG_1084

IMG_1086
1017683_10201285168308254_334925348_n
skype
skype2

Anúncios

13 pensamentos sobre “O dia que eu descobri que tem coisa pior que ter feito book fotográfico

  1. KKKKKKKKKKK.. sempre leio seus posts contendo o riso aqui no trabalho!^^ Essa vida materna é uma aventura! Adoro ver o quanto é normal esses causos de mico!

    Posta pra gente ver essa guinada fashion! Tenho vontade de fazer essas consultorias, mas acho que tenho vergonha, sei la´…

    bjokas!

  2. A pessoa pode desbravar o mundo, nadar com tubarão, acampar numa savana…aventura mesmo só depois que a gente vira mãe, é ou não?

  3. Irmãzinha, adoro seu jeito de contar histórias!!!! Você tem o dom de tornar eventos cotidianos em algo extraordinário e cada momento vivido parece uma grande aventura!!! Dá uma vontade danada de procurar uma consultoria dessas!!! Você e a Lily estão lindas como sempre!!! Beijos!!!

    • Ah irmazinha, obrigada por sempre acompanhar meus causos! Quanta saudade!

      E procura sim uma consultoria se puder. Eu costumava achar que essas coisas fossem futilidade, mas hoje vejo que é um trabalho super importante. A gente aprende a valorizar mais o que temos de bom, a disfarçar o que nao gostamos tanto e aceitar o que nao da pra mudar. E o mais legal que me faltava, aprendemos a comprar o essencial e que realmente combina com a gente. Ainda estou aprendendo, mas super recomendo! 🙂

      Beijos!

  4. Pingback: O dia que eu fiz um book fotográfico |

  5. Lu, só te digo uma coisa: maldade voce ficar tanto tempo sem escrever !!! Seus posts alegram meu dia, minha semana ! Voce é engraçada demais !!!!!

    • Ah, Lu! Como eu queria conseguir escrever mais! Gosto tanto que as vezes fico na duvida se gosto mais de escrever ou desenhar – acho que dá empate! 😀

      Muito obrigada pelo comentário tão carinhoso! Alegrou minha semana também!

  6. ô Fiota, perdi esse post. Adorei! E você, continua com senso de humor nas alturas até manchada de coco! Benzadeus criatura! Hahhaha… beijos

  7. Além dos magníficos posts, temos o bônus dos comentários! Uma delícia! concordo com cada uma! Nós, suas fãs, sabemos o que é bom! (acho que excedi a quota de pontos-de-exclamação/per/post…) By the way, te mandei uma mensagem no nicolilando@gmail.com (jurássicamente me mantenho ancorada no e-mail. Coisas de avó). Beijos e um MARAVILHOSO ano novo para você e sua linda família!!! (e lá vão mais três, antes que a tecla derreta). VVV

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s